Perfil nutricional e estado de saúde de idosos fisicamente ativos

Antonia Ilka da Cruz Silva, Liejy Agnes dos Santos Raposo Landim

Resumo


A população brasileira está sofrendo modificações, com o crescimento do grupo dos idosos longevos, que vivem 80 anos ou mais. O objetivo desse estudo foi analisar o perfil nutricional e estado de saúde de idosos fisicamente ativos. Trata-se de um estudo observacional e transversal. Foi aplicado um questionário sociodemografico e avaliados os parâmetros: índice de massa corporal, peso e altura, perímetros (braço, muscular do braço, cintura), razão cintura-quadril, e recordátorio de 24 horas. Os dados foram analisados por estatística descritiva e analisados no software IBM SPSS 22 for Windows. O sexo feminino era predominante (88,8%), com idade média de 65 anos, e 40,74% dos indivíduos tiveram 5 ou mais filhos. O IMC médio foi de 28,9 kg/m2, e 48,1%da amostra com excesso de peso. Na correlação da idade e razão cintura-quadril, teve correlações significativas para doenças crônicas não transmissíveis. Os participantes apresentavam adequação de macronutrientes e baixa ingestão de cálcio, 51,47% apresentavam hipertensão arterial e 36,84% diabetes. Concluiu-se que os participantes apresentavam excesso de peso e baixa ingestão de cálcio, tendo a necessidade de orientação alimentar para a melhoria da qualidade de vida dessa população.

Palavras-chave: idoso fisicamente ativo, estado nutricional.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


Damasceno CKCS, Sousa CMMR. Análise sobre as políticas públicas de atenção ao idoso no Brasil. Revista Interdisciplinar 2016;9(3)185-90. https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/6772023.pdf

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeção da População do Brasil por sexo e idade para o período 2010/2060; 2018.

Brasil. Lei nº. 8.842/94. Política Nacional do Idoso. Diário Oficial da República Federativa do Brasil; 1994. [citado 2018 set 30]. http://www.planalto.gov.br/leis.

Duarte MSL, Rezende FAC, de Souza ECG. Abordagem nutricional no envelhecimento. Rio de Janeiro: Rubio; 2016. https://www.rubio.com.br/livro-abordagem-nutricional-no-envelhecimento-9788584110537-du5042.html

Pinto CS et al. Estado nutricional e ingestão alimentar em Idosos Institucionalizados do município de Teixeiras MG. Anais VIII SIMPAC 2016;8(1):381-8. https://academico.univicosa.com.br/revista/index.php/RevistaSimpac/article/view/671

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde;2014. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed.pdf.

Mello APA et al. Population-based study of overweight and diabetes mellitus in elderly in the metropolitan area of Goiânia, Goiás. Geriatr Gerontol Aging 2016;10(3):151-7. https://doi.org/10.5327/z2447-211520161600001

Almeida CJ et al. Fragilidade em idosos: prevalência e fatores associados. Rev Bras Enferm 2017;70 (4):780-5. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0633

Rocha MC et al. Treinamento física combinado melhorou o perfil lipídico e reduziu a pressão arterial de idosos com doenças crônicas não transmissíveis. Corpo consciência, Cuiabá-MT 2016;20(1):38-45. http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/4232

Keruz G, Franco MHP. Reflexões a cerca do envelhecimento, problemáticas, e cuidados com a pessoas idosas. Revista Kairós Gerontologia 2017;20(2):117-33. https://doi.org/10.23925/2176-901x.2017v20i2p117-133

Cândido APC. Avaliação dos aspectos nutricionais, das condições de saúde e do perfil sociodemográfico de idosos atendidos no departamento de saúde do idoso − Juiz de Fora MG. Revista de APS 2016;19(4):533-45. https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/15827

Vitolo MR. Nutrição da gestação ao envelhecimento. 2 ed. Rio de Janeiro; Rubio; 2015.

Cavalini BA, Fereira MCG, Fereira MA. Políticas Nacional do idoso e sua implementação na assistência de enfermagem. Raizes e Rumos 2014;2(1):3-9. http://www.seer.unirio.br/index.php/raizeserumos/article/view/3828

Toldra RC et al. Promoção da saúde e da qualidade de vida com idosos por meio de práticas corporais. O Mundo da Saúde 2014;38(2):159-68. https://doi.org/10.15343/0104-7809.20143802159168

Vagetti G, Oliveira V, Silva MP, Pacífico AB, Rocha T, Costa A, Campos W. Associação de índice de massa corporal com uma função funcional de idosas participantes de um programa de atividade física. Rev Bras Geriatr Gerontol 2017;20(2):216-27. https://doi.org/10.1590/1981-22562017020.160160

Institute of Medicine. Dietary reference intakes for energy, carbohydrate, fiber, fat, fatty acids, cholesterol, protein, and amino acids. Washington DC: National Academy Press; 2005. https://doi.org/10.17226/10490

Oliveira DV et al. O tipo de exercício físico interfere na frequência da prática de atividade física, comportamento sedentário, composição corporal e estado nutricional do idoso? Revista Brasileira de Nutrição Esportiva 2019;13(77):3-16. http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1211




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/nb.v19i1.3524

Apontamentos

  • Não há apontamentos.