Práticas fisioterapêuticas na acuidade visual com ênfase na miopia e no astigmatismo

Jandira Tacca, Daiane Giacomet Ferreira, Sílvia Lemos Fagundes

Resumo


Na Fisioterapia Oftálmica são realizados exercícios para aumentar a função ocular. A Miopia e o Astigmatismo são erros refrativos que causam alteração da visão à distância. Objetiva-se neste estudo, verificar a influência da Fisioterapia nas alterações visuais e nas dores e desconfortos musculares. Essa pesquisa qualitativa do tipo observacional descritivo foi realizada com um grupo de cinco voluntários que apresentavam Astigmatismo e/ou Miopia. Foram utilizados seis instrumentos para coleta de dados: um questionário no início e no final da intervenção, uma avaliação da Acuidade Visual pela Escala Optométrica de Snellen, um diário de campo, uma ficha individual do colaborador e laudos médicos. O protocolo consistiu em exercícios, baseado no método Self-Healing de Meir Schneider. Com a realização deste estudo, constatou-se um aumento da Acuidade Visual, efeitos na presbiopia, na satisfação com o corpo, na autoestima, na diminuição da fadiga ocular, no desapego do uso dos óculos, no aumento da ampliação periférica, na atenção do olhar, na memória e na aquisição do conhecimento sobre os cuidados com a visão. Considera-se que a Fisioterapia Oftálmica, por intermédio do método Self-Healing, é uma ferramenta de intervenção que pode recuperar e/ou prevenir problemas oculares e diminuir dores musculares.

Palavras-chave: acuidade visual, fisioterapia, miopia, astigmatismo.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


Marieb EM, Hoehn K. Anatomia e fisiologia. 3 ed. Porto Alegre: Artmed; 2009.

Atlas da Saúde. [acesso em 27 janeiro 2020]. Disponível em: https://www.atlasdasaude.pt/artigos/miopia-pode-afetar-metade-da-populacao-mundial-em-2050

Koeppen BM, Stanton BA. Fisiologia de Berne & Levy. 7 ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2018.

Fontinele AGM, Cardoso LJG, Sousa MB, Fontes MHA, Soares PRM, Gonçalves TS et al. Reabilitação oculomotora: novos desafios na prática clínica fisioterapêutica. Anápolis: Centro Universitário de Anápolis; 2019. [acesso 19 maio 2019]. Disponível em: http://anais.unievangelica.edu.br/index.php/CIPEEX/article/view/2947/1549

Sabel BA. Are visual field defects reversible? visual rehabilitation with brains. Klin Monbl Augenheilkd 2017;234(2):194-204.

Schneider M. Movimento para a autocura: Self-healing: um recurso essencial para a saúde. São Paulo: Cultrix; 2005.

Schneider M. Saúde visual por toda a vida: 10 passos para aperfeiçoar a sua visão de modo natural. São Paulo: Cultrix; 2012.

Schneider M. Saúde visual por toda a vida: 10 passos para aperfeiçoar a sua visão de modo natural. 2 ed. São Paulo: Cultrix; 2018.

Magnetto I, Magnetto O. Progresión de la miopía en niños durante su período escolar y su potencial asociación al uso desmedido de pantallas. Oftalmol Clin Exp 2019;12(2):118-27.

Revista Oftalmo – Medgrupo. Medyn; 2009.

Wu EIH. Review of corneal inlays for presbyopia. Adv Ophthalm Optom 2017;2(1):355-65. https://doi.org/10.1016/j.yaoo.2017.03.020

Grossman M. Refractive status of indigenous people in the Amazon region of Brazil. Optom Vis Sci 2005;82(4):267-72. https://doi.org/10.1097/01.opx.0000159371.25986.67

Bartlett J. Florey’s book signing Once blind, author Meir Schneider teaches how to improve vision. Merc News 2013. [acesso em 19 maio 2019]. Disponível em: https://www.mercurynews.com/2013/10/01/floreys-book-signing-once-blind-author-meir-schneider-teaches-how-to-improve-vision/

Gebrael TLR, Minzon J, Palhares MS, Teixeira LB. O método Self-Healing e a prevenção em saúde ocular: ações junto a crianças e adolescentes em um projeto social. São Paulo: 2006.

Wolff CM, Taglietti M. Exercícios oculares na insuficiência de convergência: série de casos. Oftalmologia 2019;43(1).

Kmetzki RCF, Taglietti M. Efetividade dos exercícios domiciliares na insuficiência de convergência: série de casos. FAG Journal of Health 2019;1(2):88. https://doi.org/10.35984/fjh.v1i2.82

Oliveira CM, Altale ERSA, Aleixo ECS. Avaliação da acuidade visual e orientações para escolares. Rev Nova Fisio 2014;17(95).

Gebrael TLR. Abra seus olhos. São Paulo: Buzz; 2017.

Bavoso D, Galeote L, Montiel JM, Cecatol JF. Motivação e autoestima relacionada à prática de atividade física em adultos e idosos. Revista Brasileira de Psicologia do Esporto 2017;7(2). https://doi.org/10.31501/rbpe.v7i2.8362

Lemos KCV. Meditação baseada em Mindfulness e o método Feldenkrais como terapias complementares no SUS: A implementação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares sob perspectiva dos usuários. Rio de Janeiro. [Dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2014.

Venâncio PSM, Nascimento LC, Evangelista JMV, Ribeiro HL, Monteiro M, Teixeira Junior J et al. Memória de indivíduos com mais de 50 anos praticantes de exercícios físicos e não praticantes. Rev Bras Prescr Fisiol Exerc 2018;12(73):191-7.

Menigite NC, Taglietti M. Sintomas visuais e insuficiência de convergência em docentes universitários. Rev Bras Oftalmol 2017;76(5):242-6.

Nehemy M, Passos E. Oftalmologia na prática clínica. Belo Horizonte: Folium; 2015.

Gebrael TLR. Atendimento de uma criança com ambliopia em terapia ocupacional: construção do método Meir Schneider de autocura (Self-Healing). Caderno de Terapia Ocupacional da UFSCAR 2006;14(2).




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/fb.v21i1.3263

Apontamentos

  • Não há apontamentos.