Crochetagem miofascial no tratamento de cicatrizes de pacientes com sintomas musculoesqueléticos

Bruna Aparecida Iga, Francisco Martins Arrojo Junior, Gabriel Gustavo Andrade Chum, Ivan Luiz Pavanelli, Kelvin Anequini Santos, Paulo Roberto Rocha Júnior, Bruno Gonçalves Dias Moreno, Guilherme Batista do Nascimento

Resumo


O Brasil apresenta altas taxas de cesariana, uma das maiores do mundo. Com essa predominância, ocorre consequentemente o aumento das cicatrizes. A técnica de crochetagem tem como objetivo tratar tensões musculares e fasciais, liberando aderências encontradas em patologias ortopédicas. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da crochetagem miofascial sobre a intensidade de dor, sensibilidade, amplitude de movimento e temperatura de superfície, quando aplicada sobre cicatriz de cesariana. Para o estudo foram selecionadas 26 mulheres, matriculadas em cursos da área da saúde da universidade, com idade ≥ 18 anos, que realizaram tal cirurgia. As mesmas foram avaliadas e receberam aplicação da técnica, retornando no dia subsecutivo para a reavaliação. A flexibilidade foi avaliada pelo teste de “Teste do Sentar e Alcançar”, avaliação da dor do local através da algometria e para análise térmica foi utilizado um sistema imageador. Os resultados demonstraram uma diminuição da intensidade de dor (p = 0,0001), dor ao movimento (p = 0,0001), flexibilidade (p = 0,01) e a avaliação da temperatura no local dos sintomas não teve alterações (p = 0,70). A crochetagem miofascial contribuiu para a diminuição da sensação de dor, assim como a sensibilidade vertebral correspondente ao dermátomo, e foi observado um ganho considerável na flexibilidade da amostra estudada.

Palavras-chave: sistema musculoesquelético, terapia manual, fáscia, cicatriz, cesárea.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


Portal Brasil/Ministério Da Saúde (periódico da internet) Disponível em: http://www.brasil.gov.br/noticias/saude/2017/03/numero-de-cesarianas-cai-pela-primeira-vez-desde-2010.

Mandelbaum SH, Di Santis EP, Mandelbaum MHS. Cicatrização: conceitos atuais e recursos auxiliares - Parte I. An Bras Dermatol 2003;78(4):393-408.https://doi.org/10.1590/s0365-05962003000400002

Bordoni B, Zanier E. Skin, fascias, and scars: symptoms and systemic connections. J Multidiscip Healthc 2013;7:11-24. https://doi.org/10.2147/jmdh.s52870

Tozzi P. Selected fascial aspects of osteopathic practice. J Bodyw Mov Ther 2012;16(4):503-19. https://doi.org/10.1016/j.jbmt.2012.02.003

Fuller RB. Tensegrity. Portfolio and Art News Annual 1961;(4).

Guimberteau JC et al. Introduction à la connaissance du glissement des structures sous-cutanées humaines. Ann Chir Plast Esthet 2005;(50):19-34. https://doi.org/10.1016/j.anplas.2004.10.012

Pipelzadeh MH, Naylor IL. 1998. The in vitro enhancement of rat myofibroblasts contractility by alterations to the pH of the physiological solution. Eur J Pharmacol 1998;357:257-9.https://doi.org/10.1016/s0014-2999(98)00588-3

Hinz B, Gabbiani G. Mechanisms of force generation and transmission by myofibroblasts. Curr Opin Biotechnol 2003;14:538-46. https://doi.org/10.1016/j.copbio.2003.08.006

Staubesand J, Baumbach KU, Li Y. La structure fine de l’aponévrose jambière. Phlebologie 1997;50:105-13.

Kapandji A-I. Le système conjonctif, grand unificateur de l'organisme. Ann Chir Plast Esthet (2012;57(5):507-14 https://doi.org/10.1016/j.anplas.2012.07.007

Wang N, Tytell J, Ingber D. Mechanotransduction at a distance: mechanically coupling the extracellular matrix with the nucleus. Nat Rev Mol Cell Biol 2009;10(1):75-82. https://doi.org/10.1038/nrm2594

Hammer W. Functional soft tissue examination and treatment by manual methods: news perspectives. Subury: Aspen; 1999.

Sousa FAEF, Hortense P. Mensuração da dor. In: Chaves LD, Leão ER, orgs. Dor: 5º sinal vital: reflexões e intervenções de enfermagem. Curitiba: Maio; 2004. cap.7. p.75-84.

R Core Team. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria; 2018. Disponível em: https://www.R- project.org/

Morrow Junior JR et al. Medida e avaliação do desempenho humano. Porto Alegre: Artmed; 2013;4(1):463-72.

Kinser AM, Sands WA, Stone MH. Reliability and validity of a pressure algometer. J Strength Cond Res 2009;23:312-14. https://doi.org/10.1519/jsc.0b013e31818f051c

Almeida B, Correa J, Osdarlan C. Análises termográficas utilizando termovisores. Bolsista de Valor: Revista de divulgação do Projeto Universidade Petrobras e IF Fluminense 2010;1:199-201.

Peixoto, Marcelo R. Cicatrizes e aderências: o tratamento fisioterapêutico pela técnica de crochetagem. Rio de Janeiro: Universidade Estácio de Sá; 2003.

Rios ECS et al. Efeitos da aplicação da técnica de diafibrólise percutânea na amplitude de movimento associada de flexão tóraco-lombar e quadril. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento 2018;3(6):15-27. https://www.nucleodoconhecimento.com.br/saude/diafibrolise-percutanea

Oliveira BTM. A utilização de crochetagem na cicatriz queloideana abdominal proporcionando ganho de arco de movimento no ombro. Universidade Estácio de Sá; 2004.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – Censo Demográfico de 2010. Aumento da escolaridade feminina reduz fecundidade e mortalidade infantil. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/noticiascenso.html?busca=1&id=1&idnoticia=580&t=aument o-escolaridade-feminina-reduz-fecundidade-mortalidade-infantil&view=noticia.

Sanchez HM et al. Dor musculoesquelética em acadêmicos de odontologia. Rev Bras Med Trab 2015;13(1):23-30. http://www.anamt.org.br/site/upload_arquivos/revista_brasileira_de_medicina_do_trabalho_-_volume_13_n%C2%BA_1_1572015161217055475.pdf

Brioschi ML, Colman D. Estudo da dor por imagem infravermelha. Revista Dor 2005;6(3):589-99.

Buchner TS, Amorin PC. Baumgarth H, Trajano ETL. Influência da técnica mioaponeurótica de crochetagem na cicatriz de mamoplastia: relato de caso. Revista de Saúde 2016;7(1):46-9.https://doi.org/10.21727/rs.v7i1.91




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/fb.v20i2.2845

Apontamentos

  • Não há apontamentos.