Tradução e adaptação do examen géronto-psychomoteur para o português do Brasil

Feng Yu Hua, Jorge Manuel Gomes de Azevedo Fernandez, Marisete Peralta Safons

Resumo


O objetivo do presente estudo foi traduzir o original francês do Examen Géronto-Psychomoteur (EGP) para o português do Brasil e adaptar para uso com idosos brasileiros. A proposta busca suprir a ausência de um instrumento multidisciplinar para avaliação funcional do idoso brasileiro. O EGP é um teste que avalia funções motoras e cognitivas, que são habilidades fundamentais para a manutenção da saúde no envelhecimento. Parâmetros internacionalmente aceitos foram adotados em três etapas: Tradução - duas traduções independentes, síntese, tradução reversa; Comitê de especialistas - cinco juízes avaliaram a equivalência conceitual, semântica e cultural, assim como a clareza da tradução; Pré-teste - foram avaliados 35 voluntários com idade média de 68,66 ± 6,22 anos. O processo de tradução apresentou um documento único na língua portuguesa utilizada no Brasil, que obteve índices de validade de conteúdo quase perfeitos para equivalência e clareza entre 0,86 e 1. Também foi calculado o coeficiente de concordância kappa de Cohen, que apontou uma forte concordância entre as avaliações dos juízes, com valores entre 0,85 e 0,96. O tempo médio de aplicação foi de 52,36 ± 7,48 minutos e a média dos escores dos participantes foi de 91,35 ± 9,85. Os parâmetros obtidos da versão brasileira do EGP mostraram-se satisfatórios, indicando que o processo de adaptação do instrumento foi adequado e robusto, o que possibilita a continuidade dos estudos das propriedades psicométricas para validação do Exame Geronto Psicomotor para população idosa brasileira.

Palavras-chave: envelhecimento, avaliação motora, avaliação cognitiva, capacidade funcional.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Revisão 2018 do Censo de 2010; 2018.

World Health Organization (WHO). Global health observatory data repository: Life expectancy; 2016.

World Health Organization (WHO). Ageing and health; 2015.

World Health Organization (WHO). Active ageing; 2012.

Martins NIM, Caldas PR, Cabral ED, Lins CCSA, Coriolano MGWS. Instrumentos de avaliação cognitiva utilizados nos últimos 5 anos em idosos brasileiros. Ciência & Saúde Coletiva 2017. http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/instrumentos-de-avaliacao-cognitiva-utilizados-nos-ultimos-5-anos-em-idosos-brasileiros/16454?id=16454&id=16454

Camara FM, Gerez AG, Miranda MIJ, Velardi M. Capacidade funcional do idoso: formas de avaliação e tendência. Acta Fisiátr 2008;15(4):249-56. http://www.actafisiatrica.org.br/detalhe_artigo.asp?id=130.

César CC, Mambrini JVM, Ferreira FR, Lima-Costa MF. Capacidade funcional de idosos: análise das questões de mobilidade, atividades básicas e instrumentais da vida diária via Teoria de Resposta ao Item. Cad Saúde Pública 2015;31(5):931-45. https://doi.org/10.1590/0102-311x00093214

Michel S, Soppelsa R, Albaret JM. Examen géronto psychomoteur : manuel d'aplication. Paris : Hogrefe ; 2011.

Michel S, Soppelsa R, Albaret JM. Une nouveauté dans l’évaluation de la personne vieillissante: l’examen géronto psychomoteur. Therapie Psychomotrice et Recherches 2009;160:76-86. http://www.ascodocpsy.org/santepsy/index.php?lvl=notice_display&id=148184.

Michel S, Soppelsa R, Albaret JM. Pour une légitimité du travail en géronto-psychomotricité – l’Examen Géronto Psychomoteur. Entretiens de Psychomotricité. 2010: 90-93. http://www.psychomot.ups-tlse.fr/michel2010.pdf.

Morais A, Santos S, Lebre P. Psychometric properties of the portuguese version of the Examen Geronto-Psychomoteur (P-EGP). Educational Gerontology 2016;42(7): 516-27. https://doi.org/10.1080/03601277.2016.1165068.

Morais A, Santos S, Lebre P, Tuzzo R, Mila J. Psychometric Properties of the Éxamen Geronto-Psychomoteur (EGP): The validation in Portugal and Uruguay. Revista Iberoamericana de Psicomotricidad y Técnicas Corporales 2016;41:5-22. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5862302.

Faddoul SG, Abizeid CM, Albaret JM. Psychomotor aging in Lebanon: reliability and validity of the Geriatric Psychomotor Examination. Journal of Alzheimer’s Disease & Parkinsonism 2017;7(5)372:1-7. https://doi.org/10.4172/2161-0460.1000372.

International Test Commission (ITC). International Guidelines on Test Adaptation. 2017. http://www.intestcom.org/files/guideline_test_adaptation_2ed.pdf.

Lawshe CH. A quantitative approach to content validity. Personner Psychology 1975;28:563-575.

Cohen J. A Coefficient of agreement for nominal scales. Educational and Psychological Measurement 1960; 20(1):37-46.

Zamanzadeh V, Ghahramanian A, Rassouli M, Abbaszadeh A, Alavi-Majd H, Nikanfar A. Design a Implementation Content Validity Study: Development of an instrument for measuring Patient-Centered Communication. Journal of Caring Sciences. 2015; 4(2): 165-178. https://doi.org/10.15171/jcs.2015.017

Tang W, Hu J, Zhang H, Wu P, Hua HE. Kappa coefficient: a popular measure of rater agreement. Shangai Archives of Psychiatry 2015;27(1):62-7. https://doi.org/10.11919/j.issn.1002-0829.215010.

Frio F. The boundaries of translation and adaptation: from Nida’s dynamic equivalence to Garneau’s tradaptation. Trad Term. 2013;22:15-30. http://www.revistas.usp.br/tradterm/index.

Milton J. Tradução e adaptação. Souza TP., transl. In: Amorim LM, Rodrigues CC, Stupiello E. orgs. Tradução & perspectivas teóricas e práticas [online]. São Paulo: UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica; 2015. pp.17-43. http://books.scielo.org/id/6vkk8/pdf/amorim-9788568334614-03.pdf

Morais A, Santos S, Lebre P. Psychomotor, functional, and cognitive profiles in older people with and without dementia: What connections? Dementia 2017;0(0):1-16. https://doi.org/10.1177/1471301217719624




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/fb.v20i2.2787

Apontamentos

  • Não há apontamentos.