A atuação do fisioterapeuta no time de resposta rápida em um hospital de alta e média complexidade na Amazônia

Laura Beatriz Martins Sá, Dener Lopes dos Santos, Erllem Batista Lopes, Milena Sousa Vasconcelos, Luís Afonso Ramos Leite

Resumo


Objetivos: Verificar a percepção e o conhecimento que os fisioterapeutas do Time de Resposta Rápida possuem a respeito da parada cardiorrespiratória, ressuscitação cardiopulmonar, suas atribuições e competências junto à equipe multiprofissional. Métodos: Estudo quantitativo-qualitativo, desenvolvido no Hospital Regional do Baixo Amazonas Dr. Waldemar Penna, em Santarém no oeste do Pará. Fizeram parte do estudo 17 profissionais. Foi aplicado aos voluntários um questionário baseado nas diretrizes da American Heart Association e protocolos de atendimento à PCR. Resultados: Sobre as competências do fisioterapeuta 86,27% dos participantes assinalaram as assertivas corretas; em relação ao conhecimento sobre ventilação 82,35% responderam adequadamente. Quanto aos sinais clínicos da PCR, 54,90 % mostram possuir conhecimento e 51,47% souberam responder os procedimentos adotados nesse caso. Conclusão: Os participantes possuem conhecimento sobre suas atribuições e sabem lidar com pacientes em via área avançada, entretanto, existe uma lacuna de conhecimento no que diz respeito a questões relacionadas ao suporte básico de vida.

Palavras-chave: time de resposta rápida, fisioterapia, parada cardíaca.

 


Texto completo:

HTML PDF

Referências


Nacer DT, Barbieri AR. Sobrevivência a parada cardiorrespiratória intra-hospitalar: revisão integrativa da literatura. Rev Eletr Enf 2015;17(3):2-8. https://doi.org/10.5216/ree.v17i3.30792

Gonzalez MM, Timerman S, Oliveira RG, Polastri TF, Dallan LA, Araújo S et al. I Diretriz de ressuscitação cardiopulmonar e cuidados cardiovasculares de emergência da sociedade brasileira de cardiologia: resumo executivo. Arq Bras Cardiol 2013;100(2):105-13. https://doi.org/10.5935/abc.20130022.

Berwick DM, Calkins DR, McCannon CJ, Hackbarth AD. The 100,000 lives campaign: setting a goal and a deadline for improving health care quality. JAMA 2006;295(3):324-7. https://doi.org/10.1001/jama.295.3.324

Chan PS, Jain R, Nallmothu BK, Berg RA, Sasson C. Rapid response teams: a systematic review and meta-analysis. Arch Intern Med 2010;170(1):18-26. https://doi.org/10.1001/archinternmed.2009.424.

Piccoli A, Werle RW, Kutchak F, Rieder MM. Indicações para inserção do profissional fisioterapeuta em uma unidade de emergência. ASSOBRAFIR Ciência 2013;4(1):33-41.

Ogawa KYL, Frigeri LB, Diniz JS, Ferreira CAS. Intervenção fisioterapêutica nas emergências cardiorrespiratórias. Mundo Saúde 2009;33(4):457-66.

Bellan MC, Araújo IIM, Araújo S. Capacitação teórica do enfermeiro para o atendimento da parada cardiorrespiratória. Rev Bras Enferm 2010;63(6):1019-27. https://doi.org/10.1590/S0034-71672010000600023

Mássimo EAL, Carvalho VD, Costa TAH, Oliveira DU. Evolução histórica da ressuscitação cardiopulmonar: estudo de revisão. Rev Enf UFPE 2009;3(2):709-14. https://doi.org/10.5205/reuol.149-181-1-RV.0303200936

Zorzela L, Garros D, Caen AR. Análise crítica das novas recomendações para reanimação cardiopulmonar. J Pediatr 2007;83(2Suppl):64-70. http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572007000300008

Moura LTR, Lacerda LCA, Gonçalves DDS, Andrade RB, Oliveira YR. Assistência ao paciente em parada cardiorrespiratória em unidade de terapia intensiva. Rev Rene 2012;13(2):419-27. https://doi.org/10.15253/rev%20rene.v13i2.3947

Jone D, Bellomo R, Devita MA. Effectiveness of medical emergency team: the importance of dose. Critical Care 2009;13(5):313. https://doi.org/10.1186/cc7996

Skrifvars MB, Nurmi J, Ikola K, Saarinen K, Castren M. Reduced survival following resuscitation in patients with documented clinically abnormal observations prior to in-hospital cardiac arrest. Resuscitation 2006;70(2):215-22. https://doi.org/10.1016/j.resuscitation.2006.01.002

Aehlert B. ACLS: suporte avançado de vida em cardiologia: emergência em cardiologia. 4 ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2013.

Travers AH, Rea TD, Bobrow BJ, Edelson DP, Berg RA, Sayre MR et al. Part 4: CPR overview: 2010 American Heart Association Guidelines for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care. Circulation 2010;122(18 Suppl 3):S676-84. https://doi.org/0.1161/CIRCULATIONAHA.110.970913

Bertoglio VM, Azzolin K, Souza EN, Rabelo ER. Tempo decorrido do treinamento em parada cardiorrespiratória e o impacto no conhecimento teórico de enfermeiros. Rev Gaucha Enferm 2008;29(3):454-60.

Zanini J, Nascimento LRPN, Barra DCCB. Parada e reanimação cardiorrespiratória: conhecimento da equipe de enfermagem em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva 2006;18(2):143-7. https://doi.org/10.1590/S0103-507X2006000200007

Veiga VC, Carvalho JC, Amaya LEC, Gentile JKA, Rojas SSO. Atuação do Time de Resposta Rápida no processo educativo de atendimento da parada cardiorrespiratória. Rev Bras Clin Med 2013;11(3):258-62.

Nolan JP, Soar J, Zideman DA, Biarent D, Bossaert LL, Deakin C et al. ERC Guidelines Writing Group. European Resuscitation Council Guidelines for Resuscitation 2010 Section 1. Executive summary. Resuscitation 2010;81(10):1219-76. https://doi.org/10.1016/j.resuscitation.2010.08.021

Almeida AO, Araújo IEM, Dalri MCB, Araujo S. Conhecimento teórico de enfermeiros sobre parada e ressuscitação cardiopulmonar em unidades não hospitalares de atendimento à urgência e emergência. Rev Latinoam Enferm 2011;19(2):1-8.

Neves LMT, Silva MSV, Carneiro SR, Aquino VS, Reis HJL. Conhecimento de fisioterapeutas em suporte básico de vida. Fisioter Pesqui 2010;17(1):69-74. https://doi.org/10.1590/S1809-29502010000100013

American Heart Association. Destaque das Diretrizes da American Heart Association 2015 para RPC e ACE. [Internet] 2015.

Di Credo PF, Boostel R, Felix JVC. Conhecimento da equipe multiprofissional de saúde baseado nas diretrizes da American Heart Association-2010. Rev Enferm UFPE 2015;9(10):9423-30. https://doi.org/10.5205/r euol.7944-69460-1-SM.0910201501

Bueno LO, Guimarães HP, Lopes RD, Schneider AP, Leal PHR, Senna APR et al. Avaliação dos índices prognósticos SOPA e MODS em pacientes após parada cardiorrespiratória em unidade de terapia intensiva geral. Rev Bras Ter Intensiva 2005;17:162-4.




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/fb.v20i2.2654

Apontamentos

  • Não há apontamentos.