Avaliação do impacto de um protocolo fisioterapêutico na diminuição do quadro álgico durante a primeira fase do trabalho de parto vaginal

Cristina Ingrid Aguiar Cardozo, Francisca Maria Aleudinélia Monte Cunha

Resumo


O objetivo deste estudo foi avaliar a eficiência de um protocolo fisioterapêutico, aplicado em gestantes atendidas na Santa Casa de Misericórdia de Sobral/CE voltado para a redução do quadro álgico na primeira fase do trabalho de parto e na humanização do parto vaginal. Participaram grávidas com idade gestacional entre 37-42 semanas de gestação com feto único, vivo em apresentação cefálica e que estivessem na primeira fase do trabalho de parto, atuando de forma ativa e com dilatação cervical mínima de 3 centímetros e sem uso de medicação após entrada no hospital. As participantes do grupo controle (GC; N=25) receberam orientações sobre relaxamento, respiração, dor e parto vaginal como placebo. As parturientes do grupo de intervenção (GI; N = 25), além das orientações, realizaram exercícios de respiração, liberação miofascial, alongamento, exercícios cinético-funcionais e massagem. Observou-se que as intervenções realizadas no GI proporcionaram diminuição da dor relatada (p = 0,0001), tendência não observada no GC. Foi observado aumento da dilatação vaginal e saturação de O2 em ambos os grupos, entretanto a média foi maior entre as pacientes do GI (p = 0,0001). Infere-se que o protocolo utilizado diminui a dor da gestante na primeira etapa do parto genital, além de estar associado ao relaxamento das pacientes.

Palavras-chave: dor do parto, primeira fase do trabalho de parto, fisioterapia.

 


Texto completo:

HTML PDF

Referências


ICN. CIPE, Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem [online]. 2015 [citado 2018 Dez 15]. Disponível em: http://www.icn.ch/what-we-do/permission-to-use-icnpr/

Mazoni SR, Carvalho EC, Santos CB. Validação clínica do diagnóstico de enfermagem dor de parto. Rev Latinoam Enferm 2013;21(9):1-9. https://doi.org/10.1590/S0104-11692013000700012

Baracho E. Fisioterapia aplicada a obstetrícia, uroginecologia e aspectos de mastologia. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara; 2012.p.181-223.

Mattos DV, Vandenberghe L, Martins CA. Motivação de enfermeiros obstetras para o parto domiciliar planejado. Rev Enferm UFPE on line 2014;8(4):951-9.

FIOCRUZ. Nascer no Brasil: Inquérito nacional sobre parto e nascimento, 2014. https://doi.org/10.1590/0102-311xco02s114

Entringer AP, Pinto M, Dias MAB, Gomes MADSM. Análise de custo-efetividade do parto vaginal espontâneo e da cesariana eletiva para gestantes de risco habitual no Sistema Único de Saúde. Cad Saúde Pública 2018;34(1):1-14. https://doi.org/10.1590/0102-311x00022517

Cavalcante CCL, Rodrigues ARS, Donato TV, Silva EB. Evolução científica da fisioterapia em 40 anos de profissão. Fisioter Mov 2011;24(3):513-22.

Valenciano CMVS, Rodrigues MF. A importância da intervenção fisioterapêutica na assistência do trabalho de parto [Monografia]. Lins: Centro Universitário Católico Salesiano; 2015. p.30/31.

Braz MM, Rosa JP, Maciel SS, Pivetta HMF. Bola do nascimento: recurso fisioterapêutico no trabalho de parto. Cinergis 2014;15(4):168-75.

Bertotti TCW. Experiência e percepção das puérperas com assistência ao parto e a contribuição da fisioterapia. Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia 2017;4(8):39-46.

IASP - International Association for the Study of Pain. Faces Pain Scale, 2012. [citado 2016 Set 3]. Disponível em: http://www.iasppain.org/Content/NavigationMenu/GeneralResourceLinks/FacesPainScaleRevised/default.hm.

Lemos A. Fisioterapia obstétrica baseado em evidências. 1 ed. Rio de Janeiro: Medbook; 2014.p.480.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução 466 de 12 de dezembro de 2012. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Opala-Berdzik A, Błaszczyk JW, Bacik B, Cieślińskaświder J, Świder D, Sobota G. Static postural stability in women during and after pregnancy: a prospective longitudinal study. PLoS One 2015;10(6):1-8. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0124207

Nascimento RRP, Arantes SL, De Souza EDC, Contrera L, Sales APA. Escolha do tipo de parto: fatores relatados por puérperas. Rev Gaúcha Enferm 2015;36(spe):119-26. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2015.esp.56496

Ebirim L, Buowari OY, Ghosh, S. Physical and psychological aspects of pain in obstetrics. Pain in Perspective 2012;21(7):219-36. https://doi.org/10.5772/53923

Nilsen E, Sabatino H, Lopes MB. Dor e comportamento de mulheres durante o trabalho de parto em diferentes posições. Rev Escola Enferm USP 2011;45(3):557-65. https://doi.org/10.1590/s0080-62342011000300002

Alves CP, Lima E9A, Guimarães RB. Tratamento fisioterapêutico da lombalgia postural - Estudo de caso. Rev Interfaces 2015;2(6):1-4. https://doi.org/10.16891/2317.434X.142

Silva AO. Efeito da técnica Reeducação Postural Global (RPG) no tratamento de pacientes com hiperlordose lombar: um estudo de caso. Rev Faculdade Montes Belos 2016;9(1):101-73.

Castro AS, Castro AC, Mendonça AC. Abordagem fisioterapêutica no pré-parto: proposta de protocolo e avaliação da dor. Fisioter Pesqui 2012;19(3):210-4. https://doi.org/10.1590/s1809-29502012000300004

Department of Health Clinical Practice Guidelines: Pregnancy Care. Canberra: Australian Government Department of Health; 2018.

Marques AA, Silva MPP, Amaral MTP. Tratado de Fisioterapia em Saúde da Mulher. 1 ed. São Paulo: Roca; 2011.p.252.

Ferreira CHJ, Gallo RBS, Santana LS, Marcolin AC, Duart G, Quintana SM. Recursos não-farmacológicos no trabalho de parto: protocolo assistencial. Femina 2011;39(1):41-8.

Santos MB, Martinis JV, Cruz JP, Burti JS. Papel da Fisioterapia em Obstetrícia: avaliação do nível de conhecimento por parte dos médicos e equipe de enfermagem, gestantes e puérperas da rede pública de Barueri/SP. Rev Bras Pesqui Saúde 2017;19(2):15-20.

Canesin KF, Amaral WN. Atuação fisioterapêutica para diminuição do tempo do trabalho de parto: revisão de literatura. Femina 2010;38(8):1-6.

Arruda GA, Stellbrink G, Oliveira AR. Efeitos da liberação miofascial e idade sobre a flexibilidade de homens. Ter Man 2010;8(39):396-400.

Ferreira MG, Bertor WRR, Carvalho AR, Bertolini GRF. Efeitos dos alongamentos estático, balístico e facilitação neuromuscular proprioceptiva sobre variáveis de salto vertical. Sci Med 2015;25(25):1-7. https://doi.org/10.15448/1980-6108.2015.4.21443

Gil VFB, Osis MJD, Faundes A. Lombalgia durante a gestação: eficácia do tratamento com Reeducação Postural Global (RPG). Fisioter Pesqui 2011;18(2):164-70. https://doi.org/10.1590/s1809-29502011000200011

Souza SRRK, Gualda DMR. A experiência da mulher e de seu acompanhante no parto em uma maternidade pública. Texto Contexto Enferm 2016;25(1):1-6. https://doi.org/10.1590/0104-0707201600004080014

Gallo RBS, Santana LS, Ferreira CHJ, Marcolin AC, Poli Neto OB, Duarte G et al. Massage reduced severity of pain during labour: a randomised trial. J Phys 2013;59(2):109-16.

Adams J, Frawley J, Steel A, Broom A, Sibbritt D. Use of pharmacological and non-pharmacological labour pain management techniques and their relationship to maternal and infant birth outcomes: examination of a nationally representative sample of 1835 pregnant women. Midwifery 2015;31(4):458-63.




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/fb.v20i2.2233

Apontamentos

  • Não há apontamentos.