Influência do coping religioso-espiritual no luto materno

Annaterra Araújo Silva, Antonio Marcos Tosoli Gomes, Ana Cristina Santos Duarte, Sergio Donha Yarid

Resumo


O objetivo deste estudo é avaliar a influência do coping religioso-espiritual no luto materno. É um estudo do tipo transversal de abordagem quantitativa, exploratório e de campo, realizado no município de Caetité/BA. A coleta de dados ocorreu por meio do instrumento de Coping Religioso-Espiritual (CRE), a amostra foi composta por 21 mães que perderam filhos, entre 10 e 30 anos de idade, por causas externas. A análise dos dados foi realizada no Programa Stata (versão 13.0), e a associação encontrada com a situação conjugal foi realizada por meio do Teste de Mann Whitney. Entre as mães avaliadas, a média de idade foi de 54 anos. Prevaleceram mulheres com companheiros (66,7%), de cor parda (57,1%), alfabetizadas ou com o ensino fundamental completo (66,7%), católicas (76,2%), exercendo atividade remunerada (57,1%) e com renda menor ou igual a um salário mínimo (66,7%). Evidenciou-se que entre as mães sem companheiro, os fatores, busca de ajuda espiritual P2 (3,2) e busca de outro institucional P5 (4,0) foram mais elevadas. Assim, pode-se afirmar que houve uma intenção de superação, pois a falta do parceiro não impossibilitou que mães enlutadas buscassem apoio espiritual para facilitar seu sentimento de conformação pela morte do filho.

Palavras-chave: Enfermagem, espiritualidade, relações mãe-filho, luto.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


Gonçalves OS, Bittar CLM. Estratégias de enfrentamento no luto. Mudanças 2016;24(1):39-44. https://doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v24n1p39-44

Silveira OS, Azambuja LS. A influência da religiosidade e espiritualidade no enfrentamento da doença. Psicologia 2017;1-22.

Guerra GM, Oliveira JC, Fistarol IRB, Vieira M, Deodato S, Tsunemi MH. Religiosity index and quality of life in the search for better blood pressure control. Mundo saúde 2018;42(4):932-957. https://doi.org/10.15343/0104-7809.20184204932957

Frizzo HC, Bousso RS, Ichikawa CR, Sá NN. Mães enlutadas: criação de blogs temáticos sobre a perda de um filho. Acta Paul Enferm 2017;30(2):116-21. https://doi.org/10.1590/1982-0194201700019

Jacinto HMC, Santos JS, Silva TDS, Kabengele DC. A experiência de mães após a morte da criança. CHSR 2018;4(3):43-54.

Coelho Filho JF, Lima DMA. Luto parental e construção identitária: compreendendo o processo após a perda do filho. Psicol Argum 2017;35(88):16-32. https://doi.org/10.7213/psicolargum.35.88.AO02

Dahdah DF, Bombardab TB, Frizzoc HCF, Joaquim RHVT. Revisão sistemática sobre luto e terapia ocupacional. Cad Bras Ter Ocup 2019;27(1):186-96. https://doi.org/10.4322/2526-8910.ctoar1079

Andrade ML, Mishima-Gomes FKT, Barbieri K. Recriando a vida: o luto das mães e a experiência materna. Psicol Teor Prat 2017;19(1):21-3. https://doi.org/10.5935/1980-6906/psicologia.v19n1p33-43

Franqueira AMR, Magalhães AS. Compartilhando a dor: o papel das redes sociais no luto parental. Revista Pesquisa Qualitativa 2018;6(11):373-89. https://doi.org/10.33361/RPQ.2018.v.6.n.11.172

Grizafis NA, Baumkarten ST. Luto em Santa Maria: estudo da tragédia sob um olhar sistêmico. Pensando Fam 2018;22(2):105-20. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2018000200008&lng=pt&nrm=iso

Sandler I, Tein JY, Cham H, Wolchik S, Ayers T. Long-term effects of the Family Bereavement Program on spousally bereaved parents: grief, mental health problems, alcohol problems, and coping efficacy. Dev Psychopathol 2016;28:801-18. https://doi.org/10.1017/S0954579416000328

Panzini RG, Bandeira DR. Escala de Coping religioso-espiritual (escala CRE): elaboração e validação de construto. Psicol Estud 2005;10(3). https://doi.org/10.1590/S1413-73722005000300019

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Trata de pesquisas em seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Pereira SM, Pires EF. As experiências de perdas e luto na contemporaneidade: um estudo bibliográfico. Revista Educação 2018;13(1):200-17.

Almeida TCS. Espiritualidade e resiliência: enfrentamento em situações de luto. Sacrilegens 2015;12:72-91.

Santos RCC, Yamamoto YM, Custódio LMG. Aspectos teóricos sobre o processo de luto e a vivência do luto antecipatório. Psicologia 2017;1-18.

Tomás CF. Estratégias de coping religioso: a espiritualidade como fator promotor de saúde e bem-estar. Revista INFAD de Psicología 2015;2(1):483-90.

Delalibera M, Joana Presa J, Coelho A, Barbosa A, Franco MHP. A dinâmica familiar no processo de luto: revisão sistemática da literatura. Ciênc Saúde Colet 2015;20(4):1119-34. https://doi.org/10.1590/1413-81232015204.09562014

Santos SH, Oliveira W, Jesus CF. Pais enlutados na sociedade atual: uma análise sobre suas vivências cotidianas a partir de novos critérios diagnósticos. Revista Ciências Humanas 2015;8(1):98-108. https://doi.org/10.32813/2179-1120.2015.v8.n1.a251




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/eb.v19i4.4147

Apontamentos

  • Não há apontamentos.