Fatores relacionados ao câncer de pele não melanoma na população masculina

Nathalie Resende Tenório Lopes, Édila Laura de Souza, Marcela Maria França da Silva, Patrícia Maria da Silva Ferreira, Fabyano Palheta Costa, Sarana Héren Pereira Ribeiro

Resumo


Introdução: O câncer de pele representa 33% das neoplasias existentes no Brasil, atrás apenas das doenças cardiovasculares. Até o ano de 2013, eram esperados 518.510 novos casos da patologia no País, sendo 260.610 em homens, com prevalência do câncer de pele não melanoma. Objetivo: Sintetizar as pesquisas voltadas ao câncer de pele não melanoma, a fim de analisar os fatores determinantes da sua incidência no público masculino, retratando a sintomatologia clínica, o diagnóstico, suas formas de prevenção e tratamento. Métodos: Trata-se de um artigo de revisão, de caráter integrativo, cuja coleta de informações foi obtida através de produções científicas, publicadas no período de 2010 a 2020, nas bases de dados Lilacs, Scielo, Medline e BDENF. Resultados: A amostra foi constituída de 16 estudos que elencam os principais fatores associados ao câncer de pele não melanoma em homens. Conclusão: A incidência do câncer de pele não melanoma no público masculino é crescente e demanda um maior número de estudos voltadas à temática e à promoção de educação em saúde por enfermeiros nessa população.

Palavras-chave: carcinoma basocelular, carcinoma de células escamosas, neoplasias cutâneas, saúde do homem.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


Guyton AC, Hall JE. Tratado de fisiologia médica. 12a ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2011. 41p.

Júnior EFSO, Tapety FI, Moura MEB, Abreu BAL, Lago EC, Almeida CAPL. Educação em saúde do paciente com diagnóstico de câncer de pele. Nursing 2019;22(251):2898-903.

Zink BS. Câncer de pele: a importância do seu diagnóstico, tratamento e prevenção. Rev Enferm UERJ 2014;13(5):76-83. https://doi.org/10.12957/rhupe.2014.12256

Instituto Nacional do Câncer. Tipos de câncer: câncer de pele não melanoma [citado 2019 Out 1]. http://www.inca.gov.br

Sociedade Brasileira de Dermatologia. Câncer de pele [citado 2020 Abr 27]. http://sbd.org.br/dermatologia/pele/doenças-e-problemas/câncer-de-pele/64

Leite LOB, Rosa SPS, Gonçalves SAA, Ferreira JM, Salgado PRR, Medeiros AP, et al. Câncer de pele relacionado ao trabalho. Informativo Técnico do Semiárido – INTESA 2016;10(2):37-40. http://gvaa.com.br/revista/index.php/INTESA/article/viewFile/4567/4080

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2011. 118p. PDF.

Abdo JAB, Mateus ML, Ramírez IF, Ordoñez KJL. Caracterización del adulto mayor con diagnóstico probable de cáncer de piel. Rev Inf Cient 2019;98(1):7-16.

Elmets CA, Athar M. Milestones in Photocarcinogenesis. J Invest Dermatol 2013;133(2):13-7. https://doi.org/10.1038/skinbio.2013.179

Nogueira WP, Agra G, Formiga NS, Costa MML. Perfil sociodemográfico, clínico e terapêutico de pacientes com feridas neoplásicas. Rev Enferm UFPE on line 2017;11(8):3039-49. https://doi.org/10.5205/reuol.11064-98681-4-ED.1108201707

Massó DG, Setien RC, Casamor CR, Rodríguez MM, Durán TLS. Caracterización clinicoepidemiológica de pacientes con tumores epiteliales cutáneos no melanoma. Medisan 2019;23(2):260-70.

Imanichi D, Filho JLG, Moraes CF, Sotero RC, Gomes LO. Fatores de risco do câncer de pele não melanoma em idosos no Brasil. Diagn Tratamento 2017;22(1):3-7.

Barella CS, Blanco LFO, Yamane A. Analysis of epidemiological data from the reports of squamous cell carcinoma. Rev Soc Bras Clín Méd 2013;11(1):43-7.

Iribarren OB, Ramírez SM, Madariaga GJA, Riveros ÓF, Valdés VC, Toledo SJ. Carcinoma de células escamosas de piel. Serie de casos. Rev Chil Cir 2018;70(4):315-21. https://doi.org/10.4067/s0718-40262018000300315

Silva TDNC, Júnior GLS, Albuquerque RB, Oliveira ERRS, Batista KRF. Estudo retrospectivo de aspectos epidemiológicos, clínicos e histológicos na neoplasia de pele não melanoma. Rev Bras Cir Cabeça Pescoço 2016;45(1):1-6.

Simoneti F, Cunha LO, Gomes CTV, Novo NF, Portella DL, Gonella HA. Perfil epidemiológico de pacientes com tumores cutâneos malignos atendidos em ambulatório de cirurgia plástica de serviço secundário no interior de São Paulo. Rev Fac Ciênc Méd Sorocaba 2016;18(2):98-102. https://doi.org/10.5327/Z1984-4840201624713

Foloni AR, Carnelossi MAC, Salomão MJA, Lopes RMF. Análise de casos de câncer de pele em um hospital do interior paulista. Rev CuidArte Enferm 2018;12(2):175-80.

Moreira APA, Sabóia VM, Ribeiro CRB. Câncer de pele não melanoma e risco ocupacional de trabalhadores ao ar livre: revisão integrativa. Rev Enferm UFPE on line 2015;9(12):1310-9. https://doi.org/10.5205/reuol.8127-71183-1-SM.0912201533

Solano LC, Bezerra MAC, Medeiros RS, Carlos EF, Carvalho FPB, Miranda FAN. O acesso do homem ao serviço de saúde na atenção primária. Rev Pesqui (Univ Fed Estado Rio J, Online) 2017;9(2):302-8. https://doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i2.302-308

Cesaro BC, Santos HB, Silva FNM. Masculinidades inerentes à política brasileira de saúde do homem. Rev Panam de Salud Publica 2018;42:119. https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.119

Ferreira FR, Nascimento LFC, Rotta O. Fatores de risco para câncer da pele não melanoma em Taubaté, SP: um estudo caso-controle. Rev Ass Med Bras 2011;57(4):431-7. https://doi.org/10.1590/s0104-42302011000400018

Modena CM, Martins AM, Ribeiro RBN, Almeida SSL. Os homens e o adoecimento por câncer: um olhar sobre a produção científica brasileira. Rev Baiana Saúde Pública 2013;37(3):644-60.

Souza RJSP, Corrêa MP, Ferreira ACA, Mattedi AP, Rezende ML. Estimativa do custo do tratamento do câncer de pele tipo não melanoma no Estado de São Paulo – Brasil. An Bras Dermatol 2011;86(4):657-62.

Cortez PA, Souza MVR, Salvador AP, Oliveira LFA. Sexismo, misoginia e LGBTQfobia: desafios para promover o trabalho inclusivo no Brasil. Physis 2019;29(4):1-22. https://doi.org/10.1590/s0103-73312019290414




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/eb.v19i3.4138

Apontamentos

  • Não há apontamentos.