Fatores causais associados à mortalidade por afecções no período perinatal em um município da Zona da Mata Mineira

Lorena Silva Duarte, Rayane da Cruz Alves, Tamara Chagas Ribeiro, Vanessa Fátima Fonseca, Gisele Aparecida Fófano

Resumo


Introdução: A mortalidade no período perinatal é um importante indicador de saúde materna e infantil visto que reflete sobre cuidados gestacionais e neonatais, além de demonstrar vulnerabilidades que mãe e filho possam estar sujeitos. Objetivo: Elucidar as principais causas de óbitos perinatais com o intuito de subsidiar o planejamento de estratégias preventivas que visem reduzir esse indicador. Métodos: Estudo descritivo, realizado através de dados secundários disponibilizados pela Secretaria Municipal de Saúde da cidade de Ubá/MG, no intervalo de 2015 até abril de 2019, obtendo uma amostra de 64 indivíduos que preenchiam os requisitos necessários da pesquisa. Resultados: Em 2015, registraram-se 16 óbitos, sendo 62,5% fetais. Já em 2016, notificaram-se 17 óbitos, predominantemente fetais; em 2017, foram 17 óbitos, 64,7% não fetais; em 2018, 9 óbitos, sendo 55,55% fetais; em 2019, notificou-se 5 óbitos, todos fetais. Nessa população, as causas mais frequentes foram síndrome da angústia respiratória do recém-nascido e a morte fetal de causa não especificada. Conclusão: É importante que medidas preventivas sejam tomadas para reduzir o coeficiente de mortalidade perinatal, evidenciando que a abordagem do pré-natal ao parto seja mais eficiente.

Palavras-chave: mortalidade perinatal, assistência perinatal e morte fetal.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


Heráclio IL, Silva MS, Vilela MBR, Oliveira CM, Frias PG, Bonfim CV. Epidemiological investigation of perinatal deaths in Recife-Pernambuco: a quality assessment. Rev Bras Enferm 2018;71(5):2519-26. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0916

Ramalho AA, Andrade AM, Martins FA, Koifman RJ. Infant mortality trend in the city of Rio Branco, AC, 1999 to 2015. Rev Saúde Pública 2018;52(33). https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2018052000280

Informações de Saúde (TABNET): Estatísticas vitais. [banco de dados online]. Brasília: Departamento de Informática do SUS (DATASUS). 2016. [citado 2019 Mar 18]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0205&id=6941&VObj=http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sim/cnv/fet10

Rêgo MGS, Vilela MBR, Oliveira CM, Bonfim CV. Óbitos perinatais evitáveis por intervenções do Sistema Único de Saúde do Brasil. Rev Gaúcha Enferm 2018; 39e2017-0084.

Júnior JDP, Lucas ES, Cunha LMC, Machado MGM, Pedrosa RN. Perfil da mortalidade neonatal no município de Ubá/MG, Brasil, 2008-2010. Rev Bras Pesq Saúde 2016;18(3):24-31. https://doi.org/10.21722/rbps.v18i3.15739

Trevisan MR, De Lorenzi DRS, Araujo NM, Esber K. Perfilda Assistência pré-natal entre usuárias do Sistema Único de Saúde em Caxias do Sul. Rev Bras Ginecol Obstet 2002;24(5):293-9. https://doi.org/10.1590/S0100-72032002000500002

Feresu SS, Harlow SD, Welch K, Gillespie BW. Incidence of and socio- demographic risk factors for stillbirth, preterm birth and low birthweight among Zimbabwean women. Paediatric Perinat Epidemiol. 2004;18(2):154-5. https://doi.org/10.1111/j.1365-3016.2003.00539.x

Cai J, Hoff GL, Dew PC, Guillory VJ, Manning J. Perinatal periods of risk: Analysis of fetal-infant mortality rates in Kansas City, Missouri, USA. Matern Child Health J 2005;9(2):199-205. https://doi.org/10.1007/s10995-005-4909-z

Tristão EG. Estudo da Mortalidade Perinatal no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná, no período de 1991 a 1992 [Dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 1994.

Fraiz IC. Gestação: Itinerário terapêutico e peregrinação [Dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2001.

Bassaw B, Roopnarinesingh S, Sirjusingh A. An audit of perinatal mortality. West Indian Med J 2001;50(1):42-6.

De Lorenzi DRS, Tanaka ACA, Bozzetti MC, Ribas FE, Weissheimer LA. Natimortalidade como indicador de saúde perinatal. Cad Saúde Pública 2001;17:141-6. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2001000100014

Nurdan N, Rosiane M, Camano L. Óbito fetal em microrregião de Minas Gerais. Rev Bras Ginecol Obstet 2003;25(2):103-7. https://doi.org/10.1590/S0100-72032003000200005

Mamun A, Padmadas SS, Khatun M. Maternal Health during pregnancy and perinatal mortality in Bangladesh. Paediatric Perinatal Epidemiol 2006;20(6):482-90. https://doi.org/10.1111/j.1365-3016.2006.00752.x

Davidson N, Halliday J, Riley M, King J. Influence of prenatal diagnosis and pregnancy termination of fetuses with birth defects on the perinatal mortality rate in Victoria, Australia. Paediatric Perinat Epidemiol 2005;19(1):50-2. https://doi.org/10.1111/j.1365-3016.2004.00620.x

Amitai Y, Haklai Z, Tarabeia J, Green MS, Rotem N, Fleisher E,Leventhal A. Infant mortality in Israel during 1950-2000. Paediatr Perinat Epidemiol 2005;19(2):145. https://doi.org/10.1111/j.1365-3016.2005.00636.x

Reddy UM. Prediction and prevention of recurrent stillbirth. Obstet Gynecol 2007;110: 1151-64. https://doi.org/10.1097/01.AOG.0000287616.71602.d0

Parast MM, Crum CP, Boyd TK. Placental histologic criteria for umbilical blood flow restriction in unexplained stillbirth. Hum Pathol 2008;39(6):948-53. https://doi.org/10.1186/1471-2393-12-S1-A5

Fonseca SC, Coutinho ESF. Pesquisa sobre mortalidade perinatal no Brasil: revisão da metodologia e dos resultados. Cad Saúde Pública 2004;20(Supl1):7-19. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000700002




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/eb.v19i2.3998

Apontamentos

  • Não há apontamentos.