Infecções prevalentes na unidade de terapia intensiva de um hospital universitário

Paloma Cavalcante de Assis Martins, Ana Katly Martins Gualberto Vaz

Resumo


As Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde configuram um grande ônus orçamentário às instituições, além de prolongar o tempo de afastamento do paciente de suas atividades. Essas infecções são consideradas mais graves na Unidade de Terapia Intensiva. O presente estudo objetivou identificar as infecções prevalentes em uma Unidade de Terapia Intensiva de um hospital universitário da cidade de Manaus. Trata-se de uma pesquisa descritiva e retrospectiva, com dados do período de janeiro a dezembro de 2018. Os dados foram coletados por meio do banco de informações da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do hospital em estudo e analisados estatisticamente. O estudo revelou que pacientes acometidos por Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde tiveram maior tempo de internação hospitalar. A maior prevalência foi entre pacientes cirúrgicos. A Infecção do Trato Urinário mostrou-se a infecção mais frequente. Outro achado foi o uso prolongado de dispositivos invasivos. Considerando que essas infecções têm alto potencial preventivo, para reduzi-las os profissionais devem aderir a cuidados básicos, como a lavagem das mãos e o uso de equipamentos de proteção individual. Além disso, deve-se investir em ações de educação continuada e implementação de protocolos.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


Silva AG, Oliveira AC. Adesão às medidas para prevenção da infecção da corrente sanguínea relacionada ao catéter venoso central. Enferm Foco 2017;8(2):36-41.

Torres RA, Torres BR. Importância e bases de um programa de controle e prevenção de infecção em unidade de terapia intensiva geral. Rev Med Minas Gerais (Online) 2015;25(4):577-82. Disponível em: http://rmmg.org/artigo/detalhes/1874

Sousa DM, Sousa AFL, Ibiapina ARS, Queiroz AAFLN, Moura MEB, Araújo TME. Infecção por Staphylococcus aureus resistente em unidades de terapia intensiva: revisão integrativa. Rev Enferm UFPE online 2016;10(4):1315-23. [citado 2018 Aug 7]. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/11119/12599

Candido TS, Bernardi ACA. Avaliação da resistência a antimicrobianos de Staphylococcuscoagulase negativa encontrados nas grades dos leitos em uma unidade de terapia intensiva. J Health Sci (Londrina) 2016;18(1):33-6. [citado 2018 Aug 6]. Disponível em: http://www.pgsskroton.com.br/seer/index.php/JHealthSci/article/view/3513/3131

Ribeiro FDO, Souza MA, Paula AO, Silva AG, Oliveira AC. Estratégia lúdica para a melhoria de práticas de higienização das mãos entre os profissionais de saúde. Rev. enferm. UFPE online 2017;11(10):3971-9. [citado 2018 Aug 7]. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/25207/24375

Michelin AF, Fonseca MRCC. Perfil epidemiológico das infecções hospitalares na unidade de terapia intensiva de um hospital terciário. Nursing (São Paulo) 2018; 21(236):2037-41. [citado 2018 Aug 6]. Disponível em: http://www.revistanursing.com.br/revistas/236-Janeiro2018/perfil_epidemiologico_das_infeccoes_hospitalares.pdf

Silva PLN, Aguiar ALC, Gonçalves RPF. Relação de custo-benefício na prevenção e no controle das infecções relacionadas à assistência à saúde em uma unidade de terapia intensiva neonatal. J Health Biol Sci (Online) 2017;5(2):142-9. [cited 2018 Aug 6]. Disponível em: http://periodicos.unichristus.edu.br/index.php/jhbs/article/view/1195/421

Perna TDGS, Puiatti MA, Perna DH, Pereira NMM, Couri MG, Ferreira CMD. Prevalência de infecção hospitalar pela bactéria do gênero Klebsiella em uma unidade de terapia intensiva. Rev Soc Bras Clín Med 2015;13(2):119-23. [citado 2018 Aug 6]. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2015/v13n2/a4740.pdf

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas; 2008.

Barros AJP, Lehfeld NAS. Fundamentos de metodologia científica. 3ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall; 2007.

Hulley SB. Delineando a pesquisa clínica: uma abordagem epidemiológica. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed Editora; 2006.

Universidade Federal do Amazonas [Internet]. HUGV/Ebserh receberá novos profissionais por meio de contratação via Ministério da Educação. [citado 2018 Dec 20]. Disponível em: https://ufam.edu.br/2013-04-29-19-37-05/arquivo-de-noticias/8314-hugv-ebserh-recebera-novos-profissionais-por-meio-de-contratacao-via-ministerio-da-educacao

IzaiasEM, Dellaroza MSG, Rossaneis MA, Belei RA. Custo e caracterização de infecção hospitalar em idosos. Ciênc Saúde Coletiva 2014;19(8):3395-402. https://doi.org/10.1590/1413-81232014198.12732013

Sinésio MCT, Magro MCS, Carneiro TA, Silva KGN. Fatores de risco às infecções relacionadas à assistência em unidades de terapia intensiva. Cogitare Enferm 2018;23 (2): e53826. https://doi.org/10.5380/ce.v23i2.53826

Barbosa JM, Salomé GM. Ocorrência de lesão por pressão em pacientes internados em um hospital-escola. J Enteros Ther 2018;16(e2718):1-8. https://doi.org/10.30886/estima.v16.523_PT

Farias ADA, Leal NTR, Travassos NPR, Farias AJA, Nobre AMD, Almeida TCE. Ocorrência de lesões por pressão em unidade de terapia intensiva de um hospital universitário. Nursing (São Paulo) 2019; 22 (253): 2927-31. [citado 2020 Fev 15]. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1023875

Soares SGSC, Mascarenhas MDM, Moura LNB, Pereira AFM. Caracterização das infecções relacionadas à assistência à saúde em um hospital de ensino do Nordeste do Brasil. Rev Enferm UFPI 2017;6(2):37-43. [citado 2018 Dec 23]. Disponível em: http://www.ojs.ufpi.br/index.php/reufpi/article/viewFile/5933/pdf

Miranda AL, Oliveira ALL, Nacer DT, Aguiar CAM. Resultados da implementação de um protocolo sobre a incidência de infecção do trato urinário em unidade de terapia intensiva. Rev Latinoam Enferm 2016;24(e2804): 1-9. https://doi.org/10.1590/1518-8345.0866.2804

Santos AKS, Araújo JA, Carvalho MM, Carvalho LRB, Coelho LS, Landim CAP. Perfil microbiológico das infecções hospitalares nas unidades de terapia intensiva. Rev Enferm UFPE on line 2016;10(3):1432-40. [citado 2019 Oct 19]. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/5d57/2b0528a6fd5ab6dc2b1a8b892dd14f26e512.pdf

Stramandinoli RT, Souza PHC, Westphalen FH, Bisinelli JC, Ignácio SA, Yurgel LS. Prevalência de candidose bucal em pacientes hospitalizados e avaliação dos fatores de risco. Rev Sul-Bras Odontol 2010;7(1):66-72. [citado 2020 Apr 12]; Disponível em: http://revodonto.bvsalud.org/pdf/rsbo/v7n1/a10v7n1.pdf

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Medidas de prevenção de infecção relacionada à assistência à saúde. (Série: Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde; [Internet]. Brasília; 2017 [citado 2018 Nov 22]. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33852/3507912/Caderno+4+-+Medidas+de+Preven%C3%A7%C3%A3o+de+Infec%C3%A7%C3%A3o+Relacionada+%C3%A0+Assist%C3%AAncia+%C3%A0+Sa%C3%BAde/a3f23dfb-2c54-4e64-881c-fccf9220c373

Cardoso L, Simoneti FS, Camacho EC, Lucena RV, Guerra AF, Rodrigues JMS. Intubação orotraqueal prolongada e a indicação de traqueostomia. Rev Fac Cienc Med Sorocaba 2014;16(4):170-3. [citado 2019 Oct 6]. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/b3b4/d1a9bb4cac704600c09a6d34950eb115419b.pdf

Campos CC, Alcoforado CLGC, Franco LMC, Carvalho RLR, Ercole FF. Incidência de infecção do trato urinário relacionada ao cateterismo vesical de demora: um estudo de coorte. REME Rev Min Enferm 2016;20(973):1-7. [citado 2019 Oct 6]. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/1109

Santos SC. Fatores de risco para infecção relacionada à drenagem ventricular externa nas hemorragias cerebrais espontâneas em adultos. [Dissertação]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2016. [citado 2019 Oct 6]. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/150702/001008713.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Silva JAJ, Ferreira LA, Zuffi FB, Rezende MP, Mendonça GS. Breakdown of complications related to the use of central venous catheters in intensive therapy units. Biosci J 2018;34(3):810-7. [cited 2019 Oct 6]. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/biosciencejournal/article/view/38510/22246




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/eb.v19i3.3948

Apontamentos

  • Não há apontamentos.