Atuação do enfermeiro durante o processo de terminalidade da vida infantil

Matheus Augusto da Silva Belidio Louzada, Chayana Machado da Silva, Larissa Lessa Dos Santos, Raiane de Carvalho Machado, Vanessa Vianna da Silva Barbosa, Antonio da Silva Ribeiro

Resumo


Este trabalho tem como objetivo citar a atuação do enfermeiro no processo de morte e morrer na UTIP, identificar como ele lida com a finitude de um paciente e quais são as estratégias e capacitações utilizadas para a educação continuada de sua equipe frente a esse processo. Trata-se de um estudo com abordagem qualitativa, do tipo revisão integrativa, que teve como base de dados a Biblioteca Virtual de Saúde (BVS). Foram selecionados artigos completos em língua portuguesa publicados entre 2010 e 2019. Ao fim da aplicação dos critérios anteriormente descritos, emergiram 8 artigos. Na análise de dados foram estabelecidas três categorias temáticas: Estratégias criadas para lidar com os sentimentos frente à morte; Cuidados prestados aos pacientes na UTIP e seus familiares; Atribuições dos enfermeiros. A pesquisa levou-nos a concluir que o enfermeiro é fundamental na assistência da UTIP, não só para os pacientes, mas também para os familiares. É preciso ter um olhar holístico para avaliar e treinar sua equipe de acordo com as necessidades e demandas, devendo compreender o processo de morte e morrer objetivando estratégias que aliviem a sobrecarga emocional.

Palavras-chave: unidade de terapia intensiva, criança, enfermeiro, enfermagem, morte.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


Hayasida NMA. Morte e luto: competências dos profissionais. Rev Bras Ter Cogn 2014;10(2):112-21. https://doi.org/10.5935/1808-5687.20140017

Malta DC. Lista de causas de mortes evitáveis por intervenções do Sistema Único de Saúde do Brasil. Epidemiol Serv Saúde 2007;16(4):233-44. https://doi.org/10.5123/s1679-49742007000400002

Mota MS. Reações e sentimentos de profissionais da enfermagem frente à morte dos pacientes sob seus cuidados. Rev Gaúcha Enferm 2011;32(1):129-35. https://doi.org/10.1590/s1983-14472011000100017

Souza AGS, Oliveira VLM. Humanização no processo de morte/morrer sob a perspectiva do enfermeiro de UTI. Anuário da Produção de Iniciação Científica Discente 2012;13(18):175-89.

Nascimento LC, Oliveira FCS, Moreno MF, Silva FM. Cuidado espiritual: componente essencial da prática da enfermeira pediátrica na oncologia. Acta Paul Enferm 2010;23(3):437-40. https://doi.org/10.1590/S0103-21002010000300021

Ganong LH. Integrative reviews of nursing research. Research in Nursing & Health, New York 1987;10(11):1-11. https://doi.org/10.1002/nur.4770100103

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm 2008;17(4):758-64. https://doi.org/10.1590/s0104-07072008000400018

Verri ER, Bitencourt NAS, Oliveira JAS. Profissionais de enfermagem: compreensão sobre cuidados paliativos pediátricos. Revista de Enferm UFPE 2019;13(1):126-36. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v13i01a234924p126-136-2019

D’arco C, Ferrari CMM, Carvalho LVB. Obstinação terapêutica sob o referencial bioético da vulnerabilidade na prática da enfermagem. O Mundo da Saúde 2016;40(3):382-9. https://doi.org/10.15343/0104-7809.20164003382389

Souza PSN, Conceição AOF. Processo de morrer em unidade de terapia intensiva pediátrica. Rev Bioét 2018;26(1):127-34. https://doi.org/10.1590/1983-80422018261234

Koch CL, Rosa AB, Bedin SC. Más notícias: significados atribuídos na prática assistencial neonatal/pediátrica. Revista Bioética 2017;25(3):577-84. https://doi.org/10.1590/1983-80422017253214

Marques CDC, Veronez M, Sanches MR, Higarashi IH. Significados atribuídos pela equipe de enfermagem em unidade de terapia intensiva pediátrica ao processo de morte e morrer. Reme: Revista Mineira de Enfermagem 2013;17(4):823-30. https://doi.org/10.5935/1415-2762.20130060

Santana JCB. Ortotanásia nas unidades de terapia intensiva: percepção dos enfermeiros. Revista Bioética 2017;25(1):158-67. https://doi.org/10.1590/1983-80422017251177

Poles K, Baliza MF, Bousso RS. Morte na UTI pediátrica: Experiência de médicos e enfermeiras. Recom: Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro 2013;761-9. https://doi.org/10.19175/recom.v0i0.424

Menin GE, Pettenon MK. Terminalidade da vida infantil: percepções e sentimentos de enfermeiros. Revista Bioética 2015;23(3):608-14. https://doi.org/10.1590/1983-80422015233097




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/eb.v19i2.3899

Apontamentos

  • Não há apontamentos.