Crenças de Rokeach segundo idosos: análise hierárquica a luz das teorias do envelhecimento humano

Laércio Deleon de Melo, Cristina Arreguy-Sena, Antônio Marcos Tosoli Gomes, Paulo Ferreira Pinto, Girlene Alves da Silva, Pedro Miguel Dinis Parreira

Resumo


Introdução: As compreensões sobre o envelhecimento estão subordinadas a variáveis individuais e coletivas, nos contextos: biopsicossocial, espiritual, político e cultural; fato capaz de justificar os diferentes modos de se estabelecer crenças e formas explicativas peculiares a um grupo sobre o envelhecer. Objetivo: Analisar as crenças de idosos sobre o processo de envelhecimento segundo o sistema hierárquico no eixo de centralidade/perifericidade e sua aproximação com as teorias do envelhecimento humano. Métodos: Pesquisa exploratória com abordagem qualitativa realizada com 93 pessoas idosas adstritas à Atenção Primária à Saúde (APS) cujas crenças foram categorizadas segundo Rokeach e teorias do envelhecimento humano. Realizadas entrevistas individuais em domicílio, com gravação de áudio, desencadeadas por questões norteadoras. Tratamento de dados em softwares NVivo Pro11 e SPSS versão 24 com análise de conteúdo. Atendidos todos os requisitos éticos/legais. Resultados: Obtidas 696 crenças dos tipos A e B, 163 tipo C e 1.006 dos tipos D e E. O sistema de crenças tendeu à perifericidade, explicitando os núcleos temáticos de argumentações utilizadas pelos participantes. Conclusão: Identificadas crenças modificáveis de caráter negativo sobre o envelhecimento, que possuíam explicações delineadas nas teorias do envelhecimento. Ressalta-se a necessidade de empreender esforços para revertê-las e realinhá-las ao equilíbrio do eixo de centralidade/perifericidade.

Palavras-chave: Enfermagem geriátrica, envelhecimento, saúde do idoso, psicologia social.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


Brasil. Projeções da população: Brasil e unidades da federação: revisão 2018. Coordenação de População e Indicadores Sociais. –2. ed. - Rio de Janeiro: IBGE, 2018. 58 p.

World Health Organization. Health statistics 2016: monitoring health for the SDGs sustainable development goals. World Health Organization, 2016. https://www.who.int/gho/publications/world_health_statistics/2016/en/

Arpino B, Solé-Auró A. Education inequalities in health among older European men and women: the role of active aging. J Aging Health 2017;31(1):185-208. https://doi.org/10.1177 / 0898264317726390

Uchomanowicz I, Jankowska-Polanska B, Wleklik M, Lisiak M, Gobbens R. Frailty syndrome: nursing interventions. SAGE Open Nursing 2018;4:1-11. https://doi.org/10.1177/2377960818759449

Teguo MT, Simo M, Lorenzo N, Rinaldo N, Cesari L, Matteo et al. Frailty syndrome among elderly in Caribbean region. Journal of the American Medical Directors Association 2017;18(6):547-48. https://doi.org/10.1016/j.jamda.2017.03.009

Chen C, Goldman DP, Zissimopoulos J, Rowe JW. Multidimensional comparison of countries’ adaptation to societal aging. Proceedings of The National Academy of Sciences 2018;115(37):9169-74. https://doi.org/10.1073 / pnas.1806260115

Martins R. Aging, retrogenesis of motor development, physical exercise and health promotion. Portuguese Society of Physical Education Bulletin 2017;(32);31-40.

Techera MP, Ferreira AH, Sosa CL, Marco NV, Muñoz LA. Significados que le atribuyen al envejecimiento activo y saludable un grupo de personas mayores que viven en comunidad. Texto Contexto Enferm 2017;26(3):1-9. https://doi.org/10.1590/0104-07072017001750016

Rokeach M. Understanding human values. Free Press: NY; 2008.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2016. p. 280.

Pelinka A. Attitude change: the competing views. New York: Routledge: NY; p.259.

Barcelos AMF. As influências das crenças dos alunos acerca do corpo docente em relação à aprendizagem de Línguas. Rev Brasileira de Linguística Aplicada 2007;7(2):109-38.

Martin S, Lipsky MD, King MDM. Biological theories of aging. Disease-a-Month 2015; 61(11):460-6. https://doi.org/10.1016 / j.disamonth.2015.09.005

Wernher MSI, Martin S, Lipsky MD. Psychological theories of aging. Disease-a-Month 2015;61(11):480-88.

Hasworth SB, Cannon ML. Social theories of aging. Disease-a-Month 2015;61(11):475-79. https://doi.org/10.1016 / j.disamonth.2015.09.003

Melo LD. O Processo de envelhecimento para pessoas idosas: estudo de representações sociais e crenças de Rokeach [Dissertação]. Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora; 2015. p.189. [citado 2020 Jan 10]. Disponível em: https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFJF_c33c84b95b80963fb4dad26ecd6ffb17

Dias JA, Arreguy-Sena C, Pinto PF, Souza LCD. Ser idoso e o processo do envelhecimento: saúde percebida. Escola Anna Nery 2011;15(2):372-9. https://doi.org/10.1590/S1414-81452011000200021

Lifshitz R, Nimrod G, Bachener YG. Spirituality and wellbeing in later life: a multidimensional approach. Aging e Mental Health 2019;23(8):984-91. https://doi.org/10.1080 / 13607863.2018.1460743

Melo-Tavares M, Gomes AMT, Barbosa DJ, Rocha JCCC, Bernardes MMR, Silva-Thiengo PC. Spirituality and religiosity in the daily routine of hospital nursing. Journal of Nursing UFPE on line 2018;12(4):1097-102. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i4a234371p129-139-2018




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/eb.v19i3.3254

Apontamentos

  • Não há apontamentos.