O enfermeiro frente ao pré-natal das gestantes usuárias de crack

Edilaine Rucaglia Rizzo, Cláudia Maria Messias, Geilsa Soraia Cavalcanti Valente, Maiara Dias Basílio, Márcia Esequiel dos Santos, Susana Reis Ferreira

Resumo


Introdução: O consumo da droga crack por mulheres gestantes está tendo um aumento relevante ao passar dos anos, o que compromete a saúde da díade mãe-feto. Objetivo: Identificar quais estratégias utilizadas pelos enfermeiros para a participação das gestantes usuárias de crack durante o pré-natal. Métodos: Pesquisa de campo qualitativa, realizada em 2 áreas programáticas do município do Rio de Janeiro que têm a inserção do Consultório de Rua nas Unidades de Saúde primárias. A coleta de dados foi através de entrevista semiestruturada com 2 enfermeiros que participam do Consultório de Rua, na assistência extramuros; e 13 enfermeiros das unidades básicas das áreas programáticas que recebem as gestantes usuárias de crack e realizam a continuidade da assistência. Resultados: Após leitura e análise das entrevistas, foram obtidas 2 unidades temáticas: Capacitação do enfermeiro para o pré-natal e Significando a Estratégia da Consulta a gestante usuária de Crack. Conclusão: As estratégias são fundamentais para a participação das gestantes nas consultas de pré-natal, uma abordagem sem paradigmas sociais e a reorganização dos serviços faz com que a gestante seja acolhida e respeitada, favorecendo a participação da usuária de crack para o pré-natal.

Palavras-chave: cocaína crack, gravidez, cuidado pré-natal, Enfermagem.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


Sanfelice C, Santos CC, Wilhelm LA, Alves CN, Barreto CN, Ressel LB. Knowledge and care practices of pregnant of a basic health unit. Journal of Nursing UFPE on line. 2013;7(12). https://doi.org/10.5205/1981-8963-v7i12a12340p6790-6799-2013

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde/DAPES/Saúde Mental. Plano emergencial de ampliação do acesso ao tratamento e prevenção em álcool e drogas - PEAD 2009/2011. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

World Health Organization (WHO). Global health risks: mortality and burden of disease attributable to selected major risks [Internet]. Geneva: WHO; 2009. [citado 2016 Dec 10]. Available from: http://www.who.int/healthinfo/global_burden_disease/GlobalHealthRisks_report_full.pdf

Fiocruz. Ministério da Saúde. Políticas sobre drogas. Ministério da Justiça. Governo Federal. MAIOR pesquisa feita sobre crack já feita no mundo mostra o perfil do consumo no Brasil. Brasília. Setembro 2013. [citado 2020 Jul 15]. Disponível em: http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2013/09/brasil-tem-370-mil-usuarios-regulares-de-crack-nas-capitais-aponta-fiocruz.html

Alves PP, Santos VRC, Cavalcante MMB, Aragão HL, Teixeira MA. A abordagem às gestantes usuárias de crack pela “estratégia trevo de quatro folhas”: relato de experiência. S A N A R E, Sobral 2015;14(2):98-103.

Kassada DS, Marcon SS, Pagliarini MA, Rossi RM. Prevalência do uso de drogas de abuso por gestantes. Acta Paul Enferm 2013;26(5):467-71. https://doi.org/10.1590/S0103-21002013000500010

Wronski JL, Pavelski T, Guimarães AN, Zanotelli SS, Schneider JF, Bonilha ALL. Uso do crack na gestação: vivências de mulheres usuárias. Rev Enferm UFPE on line. 2016;10(4):1231-9. https://doi.org/10.5205/reuol.8464-74011-1-SM.1004201609

Lima LPM, Santos AAP, Póvoas FTX, Silva FCL. O papel do enfermeiro durante a consulta de pré-natal à gestante usuária de drogas. Espaç Saúde 2015;16(3):39-46.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção a Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.5. ed. Brasília: Ministério da Saúde. (Serie A. Normas e Manuais Técnicos); 2010. 302 p

Coutinho T, Coutinho CM, Coutinho LM. Assistência pré-natal às usuárias de drogas ilícitas. Femina 2014;42(1).

PMS. Plano Municipal do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. 2013. [citado 2015 Nov 15]. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/3700816/4128745/PMS_20142017.pdf

Piana MC. A construção do perfil do assistente social no cenário educacional. São Paulo: UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica; 2009. 233 p.

Oliveira NA, Thofenhrn MB, Cecagno D, Siqueira HCH, Porto AR. Especialização em projetos assistenciais de enfermagem: contribuições na prática profissional dos egressos. Texto Contexto Enferm 2009;18(4). https://doi.org/10.1590/S0104-07072009000400011

Silva FP. As práticas de saúde das equipes dos consultórios de rua [Dissertação]. Recife: Universidade Federal de Pernambuco; 2013. 102 f.

Brasil. Governo Federal. Ministério da Justiça. Ministério da Educação. Ministério da saúde. Secretaria de direitos humanos. Crack é possível vencer. Enfrentar o crack é um compromisso de todos. Documento de apresentação das diretrizes e as estratégias propostas pelo programa Crack é possível vencer. Brasília, 2011. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/nfrentandoocrack/publicacoes/

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 122, de 25 de janeiro de 2011. Define as diretrizes de organização e funcionamento das Equipes de Consultório na Rua. Brasília. 2011.

Brasil. Portaria Nº 121, de 25 de janeiro de 2012: Institui a Unidade de Acolhimento para pessoas com necessidades decorrentes do uso de Crack, Álcool e Outras Drogas (Unidade de Acolhimento), no componente de atenção residencial de caráter transitório da Rede de Atenção Psicossocial. Brasília; 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Assistência integral à saúde da mulher: bases de ação programática. Brasília: Centro de Documentação do Ministério da Saúde. (Série B. Textos Básicos de Saúde, 6); 1984. 27 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada – manual técnico/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas – Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Brasil. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada. Manual técnico. Série A. Normas e manuais técnicos série direitos sexuais e direitos reprodutivos. Brasília/DF: Caderno nº5; 2006.

Costa CSC, Vila VSC, Rodrigues FM, Martins CA, Pinho LMO. Características do atendimento pré-natal na Rede Básica de Saúde. Rev Eletr Enf 2013;15(2):516-22.

Nasi C, Schneider JF. Relacionamentos sociais no cotidiano de usuários de um centro de atenção psicossocial: um estudo fenomenológico. Online Brazilian Journal of Nursing 2010;9(1).

Camelo SHH, Angerami LS. Competência profissional: A Construção de Conceitos, Estratégias Desenvolvidas pelos serviços de Saúde e implicações para a enfermagem. Texto Contexto Enferm 2013;22(2):552-60. https://doi.org/10.1590/S0104-07072013000200034

Nicolli T, Gehlen MH, Ilha S, Diaz CMG, Machado KFC, Nietsche EA. Teoria do autocuidado na desintoxicação química de gestantes em uso do crack: contribuições da enfermagem. Esc Anna Nery 2015;19(3):417-23. https://doi.org/10.5935/1414-8145.20150055

Kassada DS, Marcon SS, Waidman MAP. Percepções e práticas de gestantes atendidas na atenção primária frente ao uso de drogas. Esc Anna Nery Enferm 2014;18(3). https://doi.org/10.5935/1414-8145.20140061

Botelho APM, Rocha RC, Melo VH. Uso e dependência de cocaína/crack na gestação, parto e puerpério. Femina 2013;41(1).

Sobota J. O cuidado destinado às gestantes usuárias de crack: as percepções da equipe do pré-natal de alto risco de uma unidade do Sul do Brasil [Dissertação]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis;SC; 2014. 81p.

Linard AG, Castro MM, Cruz AKL. Integralidade da assistência na compreensão dos profissionais da estratégia saúde da família. Rev Gaúcha Enferm 2011;32(3):546-53.




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/eb.v19i2.3225

Apontamentos

  • Não há apontamentos.