Os motivos de não-adesão ao exame preventivo de câncer de colo uterino e ações educativas em uma região marajoara

Elisângela da Silva Ferreira, Sheila Barbosa Paranhos, Edficher Margotti, Sandra Moura da Silva, Simone de Carvalho Barboza

Resumo


No Brasil, o câncer de colo do útero é o terceiro tumor mais frequente na população feminina, sendo o primeiro mais incidente na Região Norte. Estudos nos revelam que a baixa adesão ao exame Preventivo do Câncer de Colo de Útero (PCCU) se acentua entre as mulheres das regiões mais pobres do país. Este estudo tem como objetivo descrever os fatores da não-adesão ao PCCU, incentivando-as por meio de ações educativas à prevenção do câncer do colo uterino. Estudo do tipo descritivo, prospectivo, com abordagem quantitativa, desenvolvido no município de Portel, localizado na mesorregião do Marajó, no estado do Pará, com 250 mulheres, residentes na área de cobertura da Estratégia Saúde da Família (ESF) da Castanheira e do Centro de Referência da Zona Rural que atende a população ribeirinha residente às margens dos três rios que banham o município, após busca ativa realizada pelos Agentes Comunitários de Saúde (ACS), em suas áreas de abrangência. Posteriormente ao preenchimento do instrumento de coleta de dados, as mulheres eram convidadas a participar da ação educativa. Os dados coletados foram analisados através de estatística descritiva. A maioria das participantes já havia realizado o exame, entretanto uma parcela já havia feito há mais de 2 anos. Os motivos de não-adesão (que nunca realizaram ou fizeram há mais de dois anos) se assemelham entre as moradoras da área urbana e rural, dentre eles: dificuldade de acesso ao local de realização do exame e medo, vergonha/constrangimento para coletar o material, falta de interesse, não saber que deveria realizar o exame, falta de material e a proibição do marido. O planejamento das ações educativas levou em consideração esses motivos e a necessidade de orientações e esclarecimentos. O estudo possibilitou demonstrar a importância da educação em saúde, através de ações educativas, desenvolvidas e pensadas de acordo com a realidade de cada localidade.

Palavras-chave: saúde da mulher, educação em saúde, teste de Papanicolau, Enfermagem.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de normas e procedimentos para vacinação. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. [citado 2018 Jan 5]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_procedimentos_vacinacao.pdf

Inca. Instituto Nacional de Controle de Câncer. Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Inca; 2018. [citado 2018 Abril 22]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//estimativa-incidencia-de-cancer-no-brasil-2018.pdf

Aguilar RP, Soares DA. Barreiras à realização do exame Papanicolau: perspectivas de usuárias e profissionais da estratégia de saúde da família da cidade de Vitória da Conquista/BA. Physis Rev Saúde Coletiva 2015;25(2):359-79. https://doi.org/10.1590/S0103-73312015000200003

Carvalho RS, Nunes RMV, Oliveira JD, Davim RMB, Rodrigues ESRC, Menezes PCM. Perfil preventivo do câncer de colo uterino em trabalhadoras da Enfermagem. Revista de Enfermagem UFPE Online 2017;11(6):2257-63. https://doi.org/10.5205/reuol.10827-96111-1-ED.1106201701

Casarin MR, Piccoli JCE. Educação em saúde para prevenção do câncer de colo do útero em mulheres do município de Santo Ângelo/RS. Ciênc Saúde Coletiva 2011;16(9):3925-32.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores econômicos municipais: uma análise dos resultados do universo do censo demográfico 2017. Rio de Janeiro: IBGE; 2018. [citado 2018 Ago 15]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/portel/panorama

Andrade MS, Almeida MMG, Araújo TM, Santos KOB. Fatores associados a não-adesão ao Papanicolau entre mulheres atendidas pela Estratégia Saúde da Família em Feira de Santana – Bahia, 2010. Epidemiol Serv Saúde 2014;23(1):111-20.

Hugo TDO, Maier VT, Jansen K, Rodrigues CEG, Cruzeiro ALS, Ores LC, Pinheiro RT, Silva R, Souza LDM et al. Fatores associados à idade da primeira relação sexual em jovens: estudo de base populacional. Cad Saúde Pública 2011;27(11):2207-14. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2011001100014

Silva MASA, Teixeira BEM, Ferrari RAP, Cestari MEW, Carteli AAM. Fatores relacionados a não-adesão a realização do exame de Papanicolau. Rev Rene 2015;16(4);532-9. [citado 2018 Set 10]. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/2745/2128

Silva AM, Guedes GW, Dantas AFLS, Nóbrega MM. Perfil epidemiológico do câncer do colo do útero na Paraíba 2016;16(4):2447-31.

Melo SCCS, Prates L, Carvalho MDB, Marcon SS, Pelloso SM. Alterações citopatológicas e fatores de risco para a ocorrência do câncer de colo uterino. Rev Gaúcha de Enferm 2009;30(4):602-8. https://doi.org/10.1590/S1983-14472009000400004

Davim RMB, Torres GV, Silva RAR, Silva DAR. Conhecimento de mulheres de uma unidade básica de saúde da cidade de Natal/RN sobre o exame de Papanicolau. Rev Esc Enferm USP 2005;39(3):296-302. https://doi.org/10.1590/S0080-62342005000300007

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. [citado 2018 Jan 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/controle_canceres_colo_utero_2013.pdf

Souza G, Alves PS. Estratégias educativas para prevenção e redução da morbimortalidade do câncer do colo uterino. Revista Saúde e Pesquisa 2015;8(2):317-26. [citado 2018 Set 10]. Disponível em: file:///C:/Users/user/Downloads/4258-17473-1-PB.pdf

Ferreira MLSM. Motivos que influenciam a não realização do exame de Papanicolaou segundo a percepção de mulheres. Esc Anna Nery [Online] 2009;13(2):378-84. https://doi.org/10.1590/S1414-81452009000200020

Albuquerque VR, Miranda RV, Leite CA, Leite MCA. Exame preventivo do câncer de câncer de colo do útero: conhecimento de mulheres. Rev Enferm UFPE on line 2016;10(5):4208-18.

Vasconcelos CTM. Efeitos de uma intervenção educativa na adesão das mulheres à consulta de retorno para receber o exame Papanicolaou [Dissertação]. Fortaleza/CE: Universidade Federal Do Ceará. Programa De Pós-Graduação em Enfermagem; 2012.

Rafael RMR, Moura ATMS. Barreiras na realização da colpocitologia oncótica: um inquérito domiciliar na área de abrangência da saúde da família de Nova Iguaçu, Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública 2010;26(5):1045-50. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010000500026

Souza GD, Oliveira RAA, Stevanin A, Sousa MF, Almeida EC. A concepção das mulheres de Mirandópolis, São Paulo, acerca do exame de Papanicolau. Rev Enferm UFSM 2013;3(3):470-9. https://doi.org/10.5902/217976929647

Soares MC, Mishima SM, Meincke SMK, Simino GPR. Câncer de colo uterino: caracterização das mulheres em um município do sul do Brasil. Esc Anna Nery 2010;14(1):90-96. https://doi.org/10.1590/S1414-81452010000100014

Oliveira WMA, Barbosa MA, Mendonça BOM, Silva AA, Santos LCF, Nascimento LCD. Adesão de mulheres de 18 a 50 anos ao exame colpocitológico na estratégia saúde da família. Rev Enf Ref 2012;3(7):15-22. https://doi.org/10.12707/RIII11139

Junges JR, Mazari CK, Selli L. Agentes comunitários de saúde: perfil e formação. Ciênc Saúde Coletiva 2008. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000700019




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/eb.v19i2.3118

Apontamentos

  • Não há apontamentos.