Envelhecer cantando: música como possibilidade para promover a saúde do idoso

Jeane Barros de Souza, Juliana Praxedes Campagnoni, Ricardo Demeneck Reinaldo, Ângela Urio, Simone dos Santos Pereira Barbosa, Emanuelly Luize Martins, Ivonete Terezinha S. Buss Heidemann, Kátia Lilian Sedrez Celich

Resumo


Introdução: O envelhecimento compreende muito além da elevação da faixa etária, sendo considerado um estágio de mudanças no estilo de vida, tornando-se necessário promover a saúde dos idosos. Objetivo: Compreender as percepções dos idosos, que praticam o canto coral, sobre a utilização da música para promover a saúde na terceira idade. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo com abordagem qualitativa. Contou-se com a participação de 15 idosos, integrantes de um coral catarinense. A coleta dos dados ocorreu em setembro de 2018, por meio do grupo focal. Os dados foram transcritos e posteriormente organizados e analisados conforme análise de conteúdo. Resultados: Os idosos conceituam saúde para além da ausência de doença, relacionando com qualidade de vida, bem-estar físico, mental, social e espiritual. Para os idosos, a música possibilita interação social, bem-estar, aprendizado, desenvolvimento da memória e desperta emoções. Conclusão: Ficou evidente que a utilização da música, por meio do canto coral, é capaz de promover a saúde da população idosa de forma lúdica, prazerosa, podendo ser também empregada para outros públicos da comunidade por ser uma atividade de baixo custo.

Palavras-chave: envelhecimento, música, promoção da saúde, saúde do idoso.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


Simões CCS. Relações entre as alterações históricas na dinâmica demográfica brasileira e os impactos decorrentes do processo de envelhecimento da população. Rio de Janeiro: IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais; 2016. 119 p.

Malta DC, Silva MA, Albuquerque GM, Lima CM, Cavalcante T, Jaime PC, et al. A implementação das prioridades da Política Nacional de Promoção da Saúde, um balanço, 2006 a 2014. Ciênc Saúde Coletiva 2014;19(11):4301-12. https://doi.org/10.1590/1413-812320141911.07732014

Barbosa KTF, Costa KNFM, Pontes MLF, Batista PSS, Oliveira FMRL, Fernandes MGM. Aging and individual vulnerability: a panorama of older adults attended by the family health strategy. Texto & Contexto Enferm 2017;26(2):e2700015. https://doi.org/10.1590/0104-07072017002700015

Sales CA, Silva VA, Pilger C, Marcon SS. A música na terminalidade humana: concepções dos familiares. Rev Esc Enf USP 2011;45(1):138-45. https://doi.org/10.1590/s0080-62342011000100019

Prazeres MM, Lira LC, Lins R, Cárdenas C, Melo G, Sampaio TM. O canto como sopro da vida: um estudo dos efeitos do Canto Coral em um grupo de coralistas idosas. Rev Kairós 2013;16(4):175-193. https://doi.org/10.23925/2176-901X.2013v16i4p175-193

Donaduzzi DSS, Beck CLC, Weiller TH, Fernandes MNS, Viero V. Grupo focal y análisis de contenido en investigación cualitativa. Index Enferm 2015;24(1-2):71-5. https://doi.org/10.4321/s1132-12962015000100016

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70; 2011.

Medeiros FAL, Medeiros A, Bittencourt G, Nóbrega M. Promoção de saúde em grupos de idosos: reflexões para o envelhecimento ativo. Rev Pesqui Cuid Fundam 2015;7(5):212-21. https://doi.org/10.9789/2175-5361.2015.v7i5.212-221

Melo CF, Sampaio IS, Souza DLA, Pinto NS. Correlação entre religiosidade, espiritualidade e qualidade de vida: uma revisão de literatura. Estud Pesqui Psicol 2015;15(2):447-64. https://doi.org/10.12957/epp.2015.17650

Daher SS, Nogueira MP, Ferreira M, Tedeschi MRM, Martinez LRC, Shirassu MM. Physical activity program for elderly and economy for the health system. Acta Ortop Bras 2018;26(4):271-4. https://doi.org/10.1590/1413-785220182604194374

Previdelli AN, Goulart RMM, Aquino RC de. Balanço de macronutrientes na dieta de idosos brasileiros: análises da Pesquisa Nacional de Alimentação 2008-2009. Rev Bras Epidemiol 2017;20(1):70-80. https://doi.org/10.1590/1980-5497201700010006

Joia L, Ruiz T. Satisfação com a vida na percepção dos idosos. Rev Kairós 2013;16(4):79-102. https://revistas.pucsp.br/kairos/article/view/20023/14898

Rocha FN, Bartholo MEC, Lima BD, Santos DO, Souza NE, Silva BGS. Lazer e qualidade de vida na percepção de pessoas acima de 60 anos. Mosaico 2016;7(2):4-9.

Oliveira BC, Barbosa NM, Lima MM, Guerra HS, Neves CM, Avelar JB. Avaliação da qualidade de vida em idosos da comunidade. Rev Bras Promoç Saúde 2017;30(3). https://doi.org/10.5020/18061230.2017.5879

Doro MP, Pelaez JM, Dóro CA, Antonechen AC, Malvezzi M, Bonfim CM, et al. Psicologia e musicoterapia: uma parceria no processo psicoativo dos pacientes do Serviço de Transplante de Medula Óssea. Rev SBPH 2015;18(1):105-30. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582015000100006&lng=pt

Fernandes PV, Grangeiro ES, Silva MN. Banda 6.0: a experiência da música na terceira idade. Rev Pesq Prát. Psicoss 2017;12(1):120-8. http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/revista_ppp/article/view/1909/1282

Araujo FF, Rocha A. Significados atribuídos ao lazer na terceira idade: observação participante em encontros musicais. PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review 2016;5(2):38-55. https://doi.org/10.17771/pucrio.acad.25256

Amorim GO, Alburquerque LCA, Pernambuco LA, Balata PMM, Luckwu-Lucena BT, Silva HJ da. Contribuicões da neuroimagem no estudo da voz cantada: revisão sistemática. Rev CEFAC 2017;19(4):556-64. https://doi.org/10.1590/1982-021620171942317

Quintero-Moreno C, Cuspoca-Orduz A, Siabato-Barrios J. Efecto de la música sobre aspectos cognoscitivos y metabólicos: implicaciones médicas y psicológicas. Cienc Invest Méd Estud Latinoam 2015;20(1):28-32. http://www.cimel.felsocem.net/index.php/CIMEL/article/view/578/332

Baldin T, Magnabosco-Martins CR. Oficinas artísticas na universidade aberta para a terceira idade: contribuições para a qualidade de vida de idosos. Rev Conexão 2015;11(1). http://www.revistas2.uepg.br/index.php/conexao/article/view/6410/4605




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/eb.v19i2.2910

Apontamentos

  • Não há apontamentos.