O uso do partograma na assistência ao trabalho de parto em uma maternidade pública

Érica Rayanne da Silva Salazar, Ruanna Cardoso Leal, Jeíse Pereira Rodrigues, Rafaela Ferreira Vilanova, Irene Sousa da Silva

Resumo


A assistência no processo parturitivo necessita de uma criteriosa avaliação para que seja realizada de forma segura e eficaz. Atualmente a ferramenta recomendada para este fim é o partograma. Um instrumento que possibilita a representação gráfica do trabalho de parto. O objetivo deste estudo é analisar o uso do partograma por profissionais que atuam no centro obstétrico de uma maternidade pública. Trata-se de uma pesquisa descritiva exploratória, documental, com abordagem quantitativa, cujo objeto de investigação foi o partograma. Após aplicação dos critérios de inclusão e exclusão o cálculo amostral resultou em 345 partogramas. A coleta de dados foi realizada por meio de um instrumento elaborado pelos pesquisadores de modo a alcançar os objetivos propostos. Entre os 345 prontuários analisados, 94,5% tinham o partograma presente no prontuário. Dentre os que contavam com a presença da ferramenta, somente 36,3% estavam preenchidos, porém o percentual de preenchimento completo foi de 21,2% e o de preenchimento correto foi de 44,9%. Portanto, observou-se que a frequência de utilização do partograma na instituição em que foram coletados os dados é baixa, e quando utilizado não atendeu ao propósito de monitorização do trabalho de parto na maioria dos casos, já que a maioria foi preenchido incompletamente.

Palavras-chave: trabalho de parto, parto, monitoramento, assistência.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


Ministério da Saúde (Brasil). Parto, Aborto e Puerpério: Assistência Humanizada à Mulher. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2003.

Barros LA, Veríssimo RCSS. Uso do partograma em maternidades escola de Alagoas. Rev Rene 2011;12(3):555-60. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/4284/0

Organização Mundial de Saúde. Recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience. [online]. 2018. [citado 2018 Dez 18]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/260178/9789241550215-eng.pdf;jsessionid=F8D37ED53B1C4437051BDDFD8C666ACC?sequence=1

Ministério da Saúde (Brasil). Diretrizes Nacionais de Assistência ao Parto Normal. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. [online]. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. [citado 2019 Jan 11]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_assistencia_parto_normal.pdf

Marconi MA, Lakatos EM. Técnicas de Pesquisa. São Paulo: Atlas; 2012.

Giglio MRP, França E, Lamounier JA. Avaliação da qualidade da assistência ao parto normal. Rev Bras Ginecol Obstet 2011;33(10):297-304. https://doi.org/10.1590/S0100-72032011001000005

Silva MJM, Sanches METL, Santos AAP, Holanda JBL, Santos MS. Assistência prestada à adolescente no momento do parto em uma maternidade de alto risco. Rev Bras Promoç Saúde 2015;28(1):98-105. https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p98

Oliveira FAM, Leal GCG, Wolff GDL, Gonçalves SL. O uso do Escore de Bologna na avaliação da assistência a partos normais em maternidades. Rev Gaúcha Enferm 2015;36:177-84. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2015.esp.56940

Leal MC, Pereira APE, Domingues RMSM, Theme Filha MM, Dias MAB, Nakamura-Pereira M, et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de baixo risco. Cad Saúde Pública 2014;30 (Supl1):S17-S32. https://doi.org/10.1590/0102-311X00151513

Fatusi AO, Makinde ON, Adeyemi AB, Orji EO, Onwudiegwu U. Evaluation of health workers' training in use of the partogram. Int J Gynaecol Obstet 2008;100(1):41-44. https://doi.org/10.1016/j.ijgo.2007.07.020

Lucena TS, Morais RJL, Santos AAP. Análise do preenchimento do partograma como boa prática obstétrica na monitorização do trabalho de parto. Rev Fun Care Online 2019;11(1):222-7. https://doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v11.7003

Fujita W, Mukumbuta L, Chavuma R, Ohashi K. Quality of partogram monitoring at a primary health centre in Zambia. Obstetrícia 2015;31(1):191-6. https://doi.org/10.1016/j.midw.2014.08.008

Anais do Congresso Internacional de Enfermagem; 06-12 de maio de 2017; Aracajú/SE: Universidade Tiradentes; 2017.

Andrade PON, Silva JQP, Diniz CMM, Caminha MFC. Fatores associados à violência obstétrica na assistência ao parto vaginal em uma maternidade de alta complexidade em Recife, Pernambuco. Rev Bras Saude Mater Infant 2016;16(1): 29-37. https://doi.org/10.1590/1806-93042016000100004

Guida NFB, Pereira ALF, Lima GPV, Zveiter M, Araújo CLF, Moura MAV. Conformidade das práticas assistenciais de enfermagem com as recomendações técnicas para o parto normal. Rev Rene 2017;18(4):543-50. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/20286/30818

Alves KYA, Oliveira PTC, Chiavone FBT, Barbosa ML, Saraiva COPO, Martins CCF, et al. Identificação do paciente nos registros dos profissionais de saúde. Acta Paul Enferm 2018;31(1):79-86. https://doi.org/10.1590/1982-0194201800012

Sousa AMM. Práticas obstétricas na assistência ao parto e nascimento em uma maternidade de Belo Horizonte [Dissertação]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/eb.v19i3.2848

Apontamentos

  • Não há apontamentos.