Risco ocupacional: violência no trabalho de enfermagem

Leandro Nonato da Silva Santos, Cryslanny de Sousa Maciel e Silva, Andressa Pereira do Carmo, Nívea Mabel de Medeiros, Aissa Romina Silva do Nascimento, Anubes Pereira de Castro

Resumo


Objetivo: Identificar e analisar, através da literatura, considerações gerais sobre a violência sofrida pela equipe de enfermagem. Métodos: Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, realizada a partir de materiais disponíveis na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) do Brasil, com arquivos indexados nas bases de dados Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Scientific Electronic Library Online (SciELO), Base de Dados de Enfermagem (BDENF). Foram utilizados os Descritores em Ciências da Saúde (DeCs): enfermagem, violência e saúde do trabalhador. Foram incluídos 10 materiais disponíveis na íntegra, em língua portuguesa, publicados entre 2013 e 2018. Resultados: Evidenciou-se que a maioria dos casos de violência acontece nos setores de urgência e emergência dos hospitais; a principal causa é o despreparo institucional para atender aos usuários que são os principais perpetradores; a violência verbal é a mais comum. Conclusão: O conjunto de questões acerca da violência laboral é considerado um obstáculo que deve ser vivenciado diariamente pelos profissionais de enfermagem.

Palavras-chave: Enfermagem, saúde do trabalhador, violência.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


Hayeck CM. Refletindo sobre a violência. Rev Bras de História & Ciências Sociais 2009;1(1):1-8.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). International Council of Nurses; Organização Mundial da Saúde. Workplace Violence In The Health Sector: Country Case Studies Research Instruments. Research Protocol. Genebra: Organização Internacional do Trabalho; 2003.

Bordignon M, Monteiro MI. Violência no trabalho da Enfermagem: um olhar às consequências. Rev Bras Enferm 2016;69(5):939-42. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2015-0133

Molinos BG, Coelho EBS, Pires RO, Lindner SR. Violência com profissionais da atenção básica: estudo no interior da Amazônia Brasileira. Cogitare Enferm 2012;17(2):239-47. https://doi.org/10.5380/ce.v17i2.25747

Vasconcellos IRR, Abreu AMM, Maia EL. Violência ocupacional sofrida pelos profissionais de enfermagem do serviço de pronto atendimento hospitalar. Rev Gaúcha Enferm 2012;33(2):167-75.

Silva IV, Aquino EML, Pinto ICM. Violência no trabalho em saúde: a experiência de servidores estaduais da saúde no Estado da Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública 2014; 30(10):2112-22. https://doi.org/10.1590/0102-311X00146713

Oliveira EB, Pinel JS, Gonçalves JBAG, Diniz DB. Trabalho de enfermagem em emergência hospitalar – riscos psicossociais: pesquisa descritiva. Online Brazilian Journal of Nursing 2013;12(1):73-88.

Silveira J, Karino ME, Martins JT, Galdino MJQ, Trevisan GS. Violência no trabalho e medidas de autoproteção: concepção de uma equipe de enfermagem. J Nurs Health 2016;6(3):436-46 437. https://doi.org/10.15210/Jonah.V6I3.8387

Worm FA, Pinto MA, Schiavenato D, Ascari RA, Trindade L, Silva OM. Risco de adoecimento dos profissionais de enfermagem no trabalho em atendimento móvel de urgência. Rev Cuid 2016;7(2):1288-96.

Mello DB, Laurert L. Dispositivos protetores utilizados por profissionais de atendimento pré-hospitalar móvel frente à violência no trabalho [Dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2015.

Souza AAM, Weruska AC, Gurgel AKC. Aspectos relacionados à ocorrência de violência ocupacional nos setores de urgência de um hospital. J Res: Fundam Care Online 2014;6(2):637-50.

Oliveira LP, Camargo FC, Iwamoto HH. Violência relacionada ao trabalho das equipes de saúde da família. Revista de Enfermagem e Atenção à saúde (REAS) 2013;2(2NEsp):46-56. https://doi.org/10.18554/

Angelim RCM, Rocha GSA. Produção científica acerca das condições de trabalho da enfermagem em serviços de urgência e emergência. Rev Pesqui Cuid Fundam 2016;8(1):3845-59.

Scaramal DA, Haddad MCFL, Garanhani ML, Nunes EFPA, Galdino MJQ, Pissinati PSC. Violência física ocupacional em serviços de urgência e emergência hospitalares: percepções de trabalhadores de enfermagem. Revista Mineira de Enfermagem (REME) 2017;21:e-1024. https://doi.org/10.5935/1415-2762.20170034




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/eb.v19i3.2539

Apontamentos

  • Não há apontamentos.