Atuação da equipe de enfermagem no preparo e administração de medicamentos em uma unidade de terapia intensiva materna

Izaura Luzia Silvério Freire, Rejane Ferreira de Lima, Fernanda Rafaela dos Santos, Bárbara Coeli Oliveira da Silva, Anderson Brito de Medeiros, George Felipe de Moura Batista

Resumo


Resumo

Introdução: Nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) maternas, destaca-se a necessidade de emprego de inúmeros recursos tecnológicos para o diagnóstico e tratamento das pacientes internadas, assim como a imperatividade na atenção quando da administração de medicamentos. Objetivo: Descrever a atuação da equipe de enfermagem relacionada ao preparo e administração de medicamentos em uma UTI materna. Métodos: Estudo exploratório, descritivo, transversal e quantitativo realizado em UTI materna, com amostra composta por 26 profissionais de enfermagem. Resultados: No preparo dos medicamentos, identificou-se que os entrevistados sempre higienizavam as mãos (61,5%); nunca utilizavam o celular (80,8%); por vezes antecipavam o preparo/administração (57,7%); nunca esqueciam de preparar/administrar (50,0%); e sempre checavam o histórico de alergias do paciente (65,4%). Quanto à administração dos fármacos, constatou-se que sempre confirmavam o nome do paciente (53,8%); algumas vezes administravam fármacos por prescrição verbal (80,8%); nunca esqueciam de checar os medicamentos administrados (42,3%); e frequentemente higienizavam as mãos após a administração (38,5%). Os erros mais citados cometidos nesse processo foram: dose errada (61,5%); erro de preparo (46,2%); e paciente errado (34,6%). Conclusão: Nas UTIs maternas, necessita-se de uma educação permanente em saúde que proporcione aos profissionais da enfermagem o desenvolvimento de práticas laborais seguras para as pacientes.

Palavras-chave: sistemas de medicação no hospital, Enfermagem, unidades de terapia intensiva.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


Coêlho MAL, Katz L, Coutinho I, Hofmann A, Miranda L, Amorim M. Perfil de mulheres admitidas em uma UTI obstétrica por causas não obstétricas. Rev Assoc Med Bras 2012;58(2):160-7. https://doi.org/10.1590/S0104-42302012000200011

Oliveira MF, Freitas MC. Diagnósticos e intervenções de enfermagem frequentes em mulheres internadas em uma unidade de terapia intensiva. Rev Bras Enferm 2009;62(3):343-8. https://doi.org/10.1590/S0034-71672009000300002

Novaretti MCZ, Santos EV, Quitério LM, Daud-Gallotti RM. Sobrecarga de trabalho da Enfermagem e incidentes e eventos adversos em pacientes internados em UTI. Rev Bras Enferm 2014;67(5):692-9. https://doi.org/10.1590/0034-7167.2014670504

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Protocolo de Segurança na Prescrição, uso e Administração de Medicamentos. Brasília: Agência Nacional de Vigilância Sanitária; 2013.

Fassarella CS, Bueno AAB, Souza ECC. Segurança do paciente no ambiente hospitalar: os avanços na prevenção de eventos adversos no sistema de medicação. Rev Rede Cuid Saúde 2013;7(1):1-8. http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/rcs/article/view/1897/907

Oliveira JKA, Llapa-Rodriguez EO, Lobo IMF, Silva LSL, Godoy S, Silva GG. Segurança do paciente na assistência de enfermagem durante a administração de medicamentos. Rev Latinoam Enferm 2018;26(e3017):1-8. https://doi.org/ 10.1590/1518-8345.2350.3017

Souza CS, Tomaschewski-Barlem JG, Rocha LP, Barlem ELD, Silva TL, Neutzling BRS. Cultura de segurança em unidades de terapia intensiva: perspectiva dos profissionais de saúde. Rev Gaúcha Enferm 2019;40(e20180294):1-9. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2019.20180294

Martins FR, Morini MS, Olinda AG, Barros FHV, Silva LO, Gomes Roseno MASG. Necessidades de qualificação do processo de trabalho da Enfermagem em UTI Pediátrica. Id on Line Rev Mult. Psic 2019;13(43):322-8. https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/download/1524/2261

Magalhães AMM, Costa DG, Riboldi CO, Mergen T, Barbosa AS, Moura GMSS. Associação entre carga de trabalho da equipe de enfermagem e resultados de segurança do paciente. Rev Esc Enferm USP 2017;51(e03255):1-7. https://doi.org/10.1590/S1980-220X2016021203255

Zavala MOQ, Klinj TP, Carrillo KLS. Qualidade de vida no trabalho do pessoal de enfermagem de instituições públicas de saúde. Rev Latinoam Enferm 2016;24(e2713):1-8. https://doi.org/10.1590/1518-8345.1149.2713

Alteren J, Hermstad M, White J, Jordan S. Conflicting priorities: observation of medicines administration. J Clin Nurs 2018;27(19-20):3613-21. https://doi.org/10.1111/jocn.14518

Bower R, Jackson C, Manning JC. Interruptions and medication administration in critical care. Nurs Crit Care. 2015;20(4):183-95. https://doi.org/10.1111/nicc.12185

Freitas WCJ, Ramos JS, Chagas SRG, Mata LRF, Menezes AZ, Ribeiro HCTC. Distrações e interrupções no preparo e na administração de medicamentos em unidades de internação hospitalar. Rev Eletr. Enferm. 2019;21(53621):1-8. https://doi.org/10.5216/ree.v21.55516

Llapa-Rodriguez EO, Silva LSL, Menezes MO, Oliveira JKA, Currie LM. Assistência segura ao paciente no preparo e administração de medicamentos. Rev Gaúcha Enferm. 2017;38(4):e2017-0029:1-8. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2017.04.2017-0029

Gomes ATL, Assis YMS, Silva MF, Costa IKF, Feijão AR, Santos VEP. Erros na administração de medicamentos: evidências e implicações na segurança do paciente. Cogitare Enferm 2016;21(3):1-11. https://doi.org/10.5380/ce.v21i3.44472

ISMP BRASIL. Prevenção de erros de medicação associados a reações alérgicas a medicamentos. Boletim ISMP 2019;8(8):1-12.

Paranaguá TTB, Bezerra ALQ, Silva AEBC. The occurence of near misses and associated factors in the surgical clinic of a teaching hospital. Cogitare Enferm. 2015 Jan/Mar; 20(1):120-7. http://docs.bvsalud.org/biblioref/2016/07/616/37446-151095-1-pb.pdf

World Health Organization. WHO Safe Childbirth Checklist Implementation Guide. Geneva: WHO; 2015.

Pereira FGF, Aquino GA, Melo GAA, Praxedes CO, Caetano JA. Conformidades e não conformidades no preparo e administração de antibacterianos. Cogitare Enferm 2016;21(n.esp):1-9. https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/45506/pdf

COREN-SP. Parecer COREN-SP 001 /2014 - CT. PRCI n° 102.739/2012. Da Possibilidade de recusa na administração de um medicamento (preparado/diluído) por outro profissional, administração de medicamento (preparado/diluído) por profissional que não atua na área da saúde. Câmara Técnica de Assistência à Saúde. 22 nov 2013.

Governo do Distrito Federal. Segurança do Paciente: prescrição, uso e administração de medicamentos. Comissão Permanente de Protocolos de Atenção à Saúde da SES-DF. 3 jul 2018.

Figueiredo TWB, Silva LAA, Brusamarello T, Oliveira ES, Santos T, Pontes L. Tipos, causas e estratégias de intervenção frente a erros de medicação: uma revisão integrativa. Rev Enferm Atenção Saúde 2018;7(2):155-75. https://doi.org/10.18554/reas.v7i2.2494

Azevedo Filho FMA, Pinho DLM, Bezerra ALQ, Amaral RT, Silva ME. Prevalência de incidentes relacionados à medicação em unidade de terapia intensiva. Acta Paul Enferm 2015;28(4):331-6. https://doi.org/10.1590/1982-0194201500056

Pinto VB. Armazenamento e distribuição: o medicamento também merece cuidados. Brasília: OPAS/OMS; 2016. 7 p. https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&view=download&alias=1540-armazenamento-e-distribuicao-o-medicamento-tambem-merece-cuidados-0&category_slug=serie-uso-racional-medicamentos-284&Itemid=965

Mendes JR, Lopes MC, Vancini-Campanharo CR, Okuno MF, Batista RE. Tipos e frequência de erros no preparo e na administração de medicamentos endovenosos. Einstein (São Paulo) 2018;16(3):1-6. https://doi.org/10.1590/S1679-45082018AO4146

Volpe CRG, Melo EMM, Aguiar LB, Pinho DLM, Stival MM. Fatores de risco para erros de medicação na prescrição eletrônica e manual. Rev Latinoam Enferm 2016;24:e2742. https://doi.org/10.1590/1518-8345.0642.2742




DOI: http://dx.doi.org/10.33233/eb.v19i2.1174

Apontamentos

  • Não há apontamentos.